Português é um dos fundadores do primeiro banco de criptomoedas do mundo

Bruno Coelho
Comentar

Chama-se Anchorage e era até agora uma startup direcionada para o armazenamento de critptomoedas. Agora tornou-se no primeiro banco do mundo para este efeito, e um dos fundadores é português.

Chama-se Diogo Mónica, tem 33 anos, e doutorou-se em ciência computacional no Instituto Superior Técnico, em Lisboa. Em 2018 foi um dos fundadores da Anchorage Trust Company, e até já recebeu uma distinção da Forbes. O outro fundador é o norte-americano Nathan McCauley.

Português Diogo Mónica é um dos fundadores da Anchorage, o primeiro banco de criptomoedas do mundo
Português Diogo Mónica é um dos fundadores da Anchorage, o primeiro banco de criptomoedas do mundo

A conceituada revista Forbes considerou-o um dos grandes talentos a nível mundial com menos de 40 anos. Trabalhou como designer de segurança em empresas como a Square e a Docker, antes de fundar a Anchorage.

A agência reguladora OCC (Office of the Comptroller of the Currency) aceitou assim a empresa cofundada por Diogo Mónica, como primeiro banco de criptomoedas do mundo. Entre outros, o banco conta com apoio da Visa, Blockchain Capital ou o Block Tower.

Em comunicado, Diogo Mónica refere que as criptomoedas guardadas vão desde “desde grandes gestores de ativos, a tesouros empresariais, doações e escritórios familiares”.

A sede da Anchorage é em São Francisco, mas conta com escritórios em Nova Iorque, Dakota do Sul e no Porto. Anualmente, já conta com mais de 100 mil milhões de transações.

Este cenário já havia sido antevisto pela Fortune quando fez a distinção ao português Diogo Mónica. E se, por exemplo, a Bitcoin continua a atingir máximos históricos, 2021 promete ser um bom ano para as moedas digitais.

Conhece a história bizarra do homem que recebe uma fortuna em Bitcoin, mas não se lembra da password.

Editores 4gnews recomendam:

Bruno Coelho
Bruno Coelho
O Nokia 3650 foi o primeiro grande mergulho no mundo tecnológico. Se o Football Manager e o cinema são dois dos seus escapes, o Macbook Pro é o melhor amigo. Escrever sobre tecnologia é o processo natural na vida de alguém que come especificações ao pequeno-almoço.