windows10mobile

Em pleno 2016, o smartphone com o sistema Windows mais utilizado continua a ser o Nokia Lumia 520. O dispositivo lançado pela Nokia em fevereiro de 2013 irá fazer, já no próximo mês, três anos e continua com um Market Share de 12,9%, sendo o mais utilizado de todos os smartphones com o sistema da Microsoft.

De facto, ainda nenhum outro smartphone com Windows conseguiu ultrapassar o modesto Lumia 520, com 512 MB de memória RAM e sem câmara froNokia_Lumia_520_familyntal. Porém, se no momento em que o mesmo foi lançado, a adesão, por parte do público, foi bastante positiva quer para a Nokia – marca do dispositivo -, quer para a Microsoft – que na altura via o seu sistema ser povoado por novos utilizadores, o que foi, e é, algo sempre bem-vindo -, hoje, o primeiro lugar ocupado pelo Nokia Lumia 520 acerca do smartphone mais utilizado com este sistema pode, por vários motivos, não ser tão positivo quanto isso.

   

Por um lado, dado que a Microsoft garante aos utilizadores de smartphones Windows Phone 8 e 8.1 a possibilidade de instalarem o Windows 10 Mobile nos seus dispositivos, o mesmo significa que, quer para o Lumia 520, quer para outros já existentes, aqueles que os possuem não necessitarão de trocar de smartphone para adquirirem as mais recentes funcionalidades do sistema operativo, isto é, em vez de um utilizador trocar o seu Nokia Lumia 520 por um Microsoft Lumia 550, pode, simplesmente, manter-se com o atual pois nada lhe será privado ou, pelo menos, saberá que continuará com um smartphone atualizado, a nível do software.

adduplex-jan2016-devices-global (1) (1)

Por outro lado, o Lumia 520 ser o smartphone, três anos depois, mais utilizado no universo Windows é preocupante por duas razões. A primeira é que não houve um outro capaz de satisfazer as necessidades dos utilizadores, de tal maneira que estes optassem, massivamente, por um outro modelo em específico, ou seja, não foram os Lumia 640, 735, ou 830 capazes de serem o número um, independentemente das suas características e preço subjacente. A segunda razão tem que ver com o facto de nenhum flagship lançado pela marca – assumindo Nokia e Microsoft como uma só, neste caso – foi capaz de rivalizar com o modelo de baixo custo, isto porque os Lumia 920, 930, 1020 ou 1520 não têm um Market Share tão notável quanto isso e, sendo esses os concorrentes dos iPhones, Galaxys S, Xperias Z, etc, a mesma razão dobra-se em duas preocupações, uma vez que foram incapazes de se impor na plataforma Windows e, consequentemente, no mundo dos smartphones.

Assim, o Lumia 520 é agora uma interrogação colocada à Microsoft na medida em que esta deve procurar saber o porquê de este smartphone ter sido tão badalado e o que se pode mudar ou fazer para que o outros sejam também, no futuro, sonantes e canalizadores de novos utilizadores da plataforma. Vamos ver se os Lumia 550 e 950, extremos na balança da marca, dado que se tratam de um low-end e um high-end, respetivamente, serão capazes de alterar esta realidade.

Talvez queiras ver:

 

ViaWindows Central
Desde cedo comecei a interessar-me pelo que podia fazer no computador. Porém, a grande paixão surgiu com o primeiro telemóvel e complementou-se com os smartphones. Nada há a dizer, são simplesmente fantásticos e úteis em todo o tipo de situações.