Euro 2024: tecnologia usada no cricket já anulou golo e faz história

Pedro Alves
Tempo de leitura: 1 min.

Calhou ao avançado belga Romelu Lukaku ser a vítima do primeiro lance do Euro 2024 analisado com recurso à tecnologia que deteta ondas sonoras, que fez a sua estreia numa prova oficial de futebol.

Tal como o 4gnews já tinha avançado, esta tecnologia desde 1990 que é utilizada no cricket, neste caso para detetar as ondas sonoras geradas pelo contacto entre a bola e o taco.

No jogo que ditou a derrota da seleção da Bélgica por 1-0 frente ao conjunto da Eslováquia, Romelu Lukaku viu o seu golo anulado pelo VAR, depois desta tecnologia ter detetado uma mão na bola do seu colega Lois Openda, nos instantes antes de fazer o cruzamento para Lukaku.

Versão visual do “Clickometer”
O "Snickometer" fornece aos árbitros uma representação visual das ondas sonoras geradas pelo contacto entre dois objetos, neste caso entre a mão de Openda e a bola.
Imagem: UEFA.com

Som que não se ouve passa a ajudar o VAR

A tecnologia que permitiu anular o lance do golo do avançado belga é conhecida por "snickometer" e, a partir de um sensor colocado no interior da bola de jogo, permite identificar as frequências sonoras geradas quando dois objetos se tocam, mesmo que o ouvido humano não o consiga perceber.

Na jogada em causa, os árbitros do VAR detetaram que o braço de Openda não estava numa posição natural, o que os levou a usar a tecnologia de análise de som. O "snickometer" acabou por confirmar que o braço do belga tocou na bola antes de assistir Lukaku para o golo.

A verdade é que esta passa a ser mais uma ferramenta tecnológica importante para as equipas de arbitragem, incluindo o VAR, permitindo identificar não só situações irregulares de mão na bola, por exemplo, mas também esclarecer o marcador de um golo sempre que não seja percetível quem toca por último na bola.

O jogo entre a Bélgica e a Eslováquia marcou assim mais uma etapa histórica na utilização da tecnologia para apoio à arbitragem, embora a solução em causa esteja longe de ser nova.

Pedro Alves
À paixão da escrita juntou a da Tecnologia e fez disso profissão durante duas décadas.