Co-fundador do WikiLeaks condenado a um ano de prisão

António Guimarães

Julian Assange é o co-fundador da WikiLeaks, o infame site que publica documentos e informações sensíveis sobre governos de todo o mundo. Assange recebeu uma ordem de um tribunal no Reino Unido para 50 semanas de prisão.

Esta ordem foi executada na sequência da violação das condições de Assange, após o mesmo não comparecer em tribunal. O co-fundador foi preso o mês passado na embaixada do Ecuador, em Londres, onde estava asilado.

Julian Assange will be sentenced at Southwark Crown Court at 10:30AM tomorrow for 'violating his bail conditions' whilst seeking & obtaining political asylum. On Thursday at 10AM there will be a hearing in Westminster Magistrate Court on the US extradition request.

— WikiLeaks (@wikileaks) 30 de abril de 2019

A página do Twitter da WikiLeaks publicou rapidamente a notícia, colocando a frase 'violar as condições de fiança' entre aspas, dando um tom céptico à situação. A verdade é que Julian Assange é um 'alvo' devido ao teor do seu trabalho.

Inicialmente, Assange foi acusado pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos de conspiração para cometer intrusão em computadores do governo.

O impacto do WikiLeaks no mundo

O WikiLeaks surgiu em 2006 com a intenção de permitir a fuga de informações sensíveis de forma anónima e segura. Em 2010, o site já tinha publicado mais de 10 milhões de documentos, alguns considerados 'top secret'.

É óbvio que esta operação gerou atenção negativa por parte dos governos e agências de defesa do mundo inteiro, acusando a plataforma de grande irresponsabilidade. Os seus servidores encontram-se espalhados por países como Islândia e Suiça, fora da jurisdição dos Estados Unidos.

wikileaks

Um dos maiores leaks do site envolve a analista do exército americano Chelsea Manning, que revelou mais de 700 mil documentos relacionados com as guerra no Iraque e Afeganistão, durante a presidência de Bush e Obama.

Os documentos mostram a brutalidade das tropas americanas a disparar contra cidadãos iraquianos desarmados e outros crimes de guerra. Cidadãos, mulheres grávidas e até mesmo 2 reportéres da Reuters foram vítimas.

Um escândalo mais recente foi dos e-mails de John Podesta, gestor de campanha de Hillary Clinton. Cerca de 2,000 e-mails sugerem favoritismo do Comité Nacional Democrata em favor a Clinton e até mesmo a revelação das questões dos debates antes do tempo.

Editores 4gnews recomendam:

António Guimarães
António Guimarães
Juntamente com os seus atuais companheiros Mi A2 e Surface Go, batalha para elucidar as massas sobre todos os acontecimentos da esfera tecnológica. "Informação é poder" é a frase que o acompanha diariamente. Talvez um dia a coloque numa t-shirt.