Vendas da Tesla voltam a cair, mas irá Elon Musk descer de novo os preços?

Pedro Alves
Tempo de leitura: 2 min.

A Tesla continua a viver numa autêntica ‘montanha russa’ em relação aos resultados das suas vendas de veículos a nível mundial.

De acordo com os resultados recém apresentados pela empresa de Elon Musk, as suas vendas de automóveis voltaram a cair no segundo semestre de 2024. A Tesla entregou um total de 443.956 veículos a nível mundial, o que corresponde a menos 22 mil EVs (4,8%) do que o total entregue no segundo trimestre do ano passado.

No entanto, mesmo com estes resultados, a verdade é que as vendas superam as estimativas de Wall Street, cujos especialistas apontavam para cerca 439.000 viaturas a entregar nesse período.

Segundo a CNBC, as ações da Tesla registaram de imediato uma subida de 6% logo após o anúncio, invertendo a tendência de quebra que se estava a registar desde o início deste ano.

Vendas da Tesla voltam a cair no Q2

Tendência descendente

Além dos dados sobre as vendas, os resultados apresentados pela Tesla indicam também que o fabricante produziu 410.831 veículos entre abril e junho deste ano. Assumindo que os valores de produção se aproximam das vendas previstas para os meses seguintes, o sinal deixado é que estes valores poderão manter a tendência decrescente.

No entanto, a CNBC retira também destes dados mais um sinal positivo: face ao primeiro trimestre deste ano, as vendas da Tesla cresceram 14,8%, deixando, por outro lado, perspetivas de crescimento trimestre-a-trimestre.

As entregas constituem a informação mais próxima das vendas divulgadas pela Tesla, que não divulga números de vendas relativos a modelos e regiões específicos.

Os resultados agora registados pela Tesla são explicados pela CNBC com diversos fatores internos e externos à empresa, como as paralisações temporárias de algumas fábricas, atrasos nos transportes devido a conflitos no Mar Vermelho, aumento da concorrência e linha de modelos envelhecida, por exemplo.

Os “truques” e “discursos políticos” de Elon Musk, por outro lado, têm também contribuído para o desgaste da marca, indica a mesma fonte.

Nova descida de preços?

Especialistas contactados pela CNBC justificam o ‘crescimento decrescente’ da Tesla devido à menor procura de veículos, mas falam também de uma quebra nas margens brutas da empresa, devido ao corte nos preços dos seus veículos e à expectativa de esses preços continuarem a cair.

Por isso mesmo referem que o foco ‘do mercado’ está agora em conhecer o relatório de ganhos do segundo trimestre da Tesla, a divulgar ainda este mês, bem como no ‘plano épico’ que Musk estará a preparar para a empresa.

Em agosto a Tesla prevê apresentar o design do que poderá ser um táxi-robô.

Pedro Alves
À paixão da escrita juntou a da Tecnologia e fez disso profissão durante duas décadas.