Samsung Galaxy S23 e Galaxy S23+ podem desiludir os interessados

Bruno Coelho
Comentar

Ainda teremos de esperar alguns meses para a chegada ao mercados dos próximos smartphones topo de gama Samsung. Os Galaxy S22 foram lançados em fevereiro deste ano, e os seus sucessores só são esperados no início do próximo.

Pese embora estes quatro a cinco meses que os equipamentos vão demorar a chegar ao mercado, começa a ter-se uma ideia do que esperar. E o último a ‘deitar lenha para a fogueira’ foi o popular leaker Ice Universe.

Não esperes mudanças significativas nos Galaxy S23 e Galaxy S23+

Através da rede social Twitter, este afirmou que basicamente os futuros equipamentos podem desiludir quem espera grandes mudanças. Isto porque estes vão ter o mesmo design dos atuais Galaxy S22.

As for the S23 and S23+, they have the same design as the S22, even the middle frame has not changed.The same screen, the same sensor, the same camera, and the battery is estimated to be similar. Processor upgrade to 8Gen2

— Ice universe (@UniverseIce) 28 de agosto de 2022

Além do design, a fonte afirma que terão "o mesmo ecrã, o mesmo sensor, a mesma câmara e a bateria também se estima que seja similar”. Como é óbvio, sofrerão melhorias ao nível de processador com o Snapdragon 8 Gen 2.

Recorde-se que os Galaxy S22 e Galaxy S22+ usaram o processador Snapdragon 8 Gen 1 ou o Exynos 2200 (dependendo da região). A versão base tem um ecrã AMOLED de 6,1 polegadas, enquanto que a versão maior dispõe de um painel de 6,6 polegadas.

Ambos chegam com taxa de atualização de 120 Hz e proteção Gorilla Glass Victus. Têm um sensor principal de 50 MP e ultrawide de 12 MP. A fechar o ramalhete está uma telefoto de 10 MP com zoom ótico de 3x e zoom espacial de 30x.

O Galaxy S22 tem uma bateria de 3700 mAh com carregamento de 25 W. Já o Galaxy S22+ chegou ao mercado com uma bateria de 4500 mAh e carregamento de 45 W.

Editores 4gnews recomendam:

Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.