5 dicas para fotografar em segurança com a câmara ou smartphone

Rui Bacelar
Comentar

Assinala-se hoje o Dia Mundial da Fotografia. Com a invenção da câmara fotográfica no século XIX, foi possível captar momentos, quer sejam eles do nosso quotidiano, quer sejam momentos históricos. Porém, num mundo interligado e continuamente dependente da Internet, surgem também novas ameaças, tanto para as câmaras como para os smartphones e respetivos conteúdos.

Assistimos, com efeito, ao desenvolvimento tecnológico muito rápido. Algo que permitiu a democratização da fotografia, sendo possível tirar fotografias em alta resolução e partilhar em questão de segundos através do smartphone nas redes sociais. Uma comodidade que, bem sabemos, não é isenta de riscos, tanto para a máquina, como para o próprio utilizador.

5 boas dicas para fotografar em segurança neste Dia Mundial da Fotografia

  1. Certifiquem-se de que os dispositivos utilizam a última versão de firmware. Instalem uma correção ou update de software, sempre que disponível
  2. Desligar a ligação à rede WiFi quando não estiver em uso
  3. Utilizar pontos de acesso próprios e não ligar a acessos públicos de WiFi
  4. Ter as mais recentes versões das aplicações em uso (smartphone e tablet)
  5. Não instalar aplicações de fontes desconhecias ou não validadas pelos programas de proteção das lojas de aplicações como a Google Play Store e App Store da Apple

A propósito do Dia Mundial da Fotografia colhemos as melhores dicas de segurança junto da Check Point Software. É a empresa líder mundial de soluções de cibersegurança. Por isso, consideramos relevantes os principais cuidados que se deve ter com a utilização das câmaras fotográficas e dos smartphones, bem como dos tablets.

As câmaras fotográficas e os smartphones são concorrentes e complementares

Apple

Em particular, as câmaras fotográficas e os smartphones são, em simultâneo, produtos concorrentes e complementares.

Ainda que ambos têm a possibilidade de gravar vídeos e tirar fotografias em alta resolução e comunicar-se através de protocolos comuns como o USB e o WiFi, são complementares na possibilidade de edição e partilha dos conteúdos. Fazem-no de forma rápida e simples na maioria dos equipamentos. Aliás, na prática, tudo se processa através das aplicações para os smartphones.

Face ao exposto, estas tecnologias e formas de comunicação entre dispositivos e partilha de conteúdos, tornam estes dispositivos mais suscetíveis. São, amiúde, alvos de ataques que comprometem a segurança dos seus dados.

A utilização do WiFi em zonas públicas, a utilização de aplicações não verificadas na edição de fotografias, são as formas de ataque mais usadas. Por isso, demos a conhecer o testemunho da Check Point Software, bem como as respetiva dicas que os utilizadores podem realizar para evitar serem infetados.

Editores 4gnews recomendam:

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. Ocupa-se com as novidades de tecnologia na 4gnews. Email: ruifbacelar@gmail.com