Os 10 países que mais estão apaixonados pelo Tesla Cybertruck são:

Filipe Alves
Comentar

O Tesla Cybertruck foi revelado no final de 2019 e promete ser um dos carros elétricos mais impressionantes de sempre. Aliás, atrevo-me a dizer que é um dos carros mais impressionantes mesmo sem o categorizar como elétrico.

O veículo é grande, tem um design invulgar e uma autonomia que, segundo Elon Musk, nenhum outro carro elétrico conseguirá oferecer.

Os 10 países que mais reservaram o Tesla Cybertruck

  • Estados Unidos da América (76.25%)
  • Canadá (10.43%)
  • Austrália (3.16%)
  • Reino Unido (1.39%)
  • Noruega (1.11%)
  • Alemanha (1.05%)
  • Suécia (0.83%)
  • Holanda (0.67%)
  • França (0.44%)
  • Islândia (0.44%)

Portugal não aparece na lista dos 10 países mais apaixonados pelas reservas do Tesla Cybertruck, porém, tenho a certeza que veremos alguns na nossa estrada.

Carta de pesado para conduzir o Tesla Cybertruck

Tesla cybertruck

Se a Tesla trouxer o Cybertruck com as medidas anunciadas, para conduzir este nova carro elétrico na Europa terás de ter carta de pesados.

Certamente por isso é que se espera que o automóvel sofra pequenas mudanças de design. Pelo menos nas variantes da Europa. De forma a que os condutores não precisem de tirar outra licença para o conduzir.

Mais de 500 mil Tesla Cybertruck já foram vendidos nas pré-reservas

Os números falam por si. De acordo com um registo de pré-vendas criado pelos utilizadores da Tesla, mais de 500 mil unidades já foram pedidas.

Este número é simplesmente impressionante. Aliás, Elon Musk referiu que nunca um outro carro teve tanto mediatismo quanto o Tesla Cybertruck.

Estou seriamente ansioso de o ver no mercado. A Tesla tem vindo a revolucionar os carros elétricos. Veremos se consegue também revolucionar o design dos carros em geral com este novo Cybertruck.

Editores 4gnews recomendam:

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.