iphone Android geekbench
iPhone vs Android – uma batalha que perdurará neste mercado

A batalha pelo domínio do mercado mobile tem sido cada vez mais feita a dois. De um lado temos o Android, um sistema operativo de código aberto utilizado por uma enorme panóplia de equipamentos. Do outro temos o iOS, um sistema operativo proprietário da Apple, que chega aos utilizadores por via dos mais variados modelos do iPhone. Comum aos dois temos a Geekbench, apenas uma das varias plataformas existentes para testes de performance aos mesmos.

Este tipo de testes têm servido como indicador do potencial de processamento de qualquer equipamento que venha para o mercado. Embora tais resultados possam variar consoante a utilização de cada um, os mesmos servem de base de comparação para avaliar qual será o mais potente.

Vê ainda: Google Pixel 2 e Pixel 2 XL – especificações dos topos de gama reveladas

Por forma a consolidar a preferência de potenciais utilizadores, anualmente temos visto as mais variadas empresas tecnológicas a lançarem equipamentos cada vez mais poderosos. Mas qual aquela que mais se sobressai? Para John Poole, criador da conhecida plataforma Geekbench, tem sido a Apple, com o seu iPhone, a superiorizar-se face aos seus concorrentes Android.

Este tipo de discussão surge, novamente, nesta altura do ano depois da chegada dos novos iPhone 8, 8 Plus e iPhone X. Os mesmos vêm equipados com o mais recente processador A11 Bionic, desenvolvido pela Apple.

Depois de conhecidos já vários testes de performance ao novo A11 Bionic, nomeadamente na Geekbench, constata-se que este é, atualmente, o melhor processador para smartphones presente no mercado. O mesmo chega a ser até 50% superior a alguns dos seus concorrentes Android.

Com efeito, a principal questão que paira na cabeça de John Poole é: porque razão apenas os iPhone têm visto este tipo de melhoria de ano para ano? Porque será que os seus concorrentes não têm sido capazes de demonstrar uma evolução semelhante?

O que não consigo compreender é porque é que o desempenho do lado do Android pareceu estagnar. É que aqui não se vêem esses grandes avanços. Não entendo o que está acontecer. Neste momento, tens o desempenho de classe desktop num smartphone. Não há como olhar para isto de outra maneira. Eu nunca teria pensado em usar o meu iPhone de primeira geração para editar vídeo. Pensaria que estavas louco.” – John Poole, em entrevista ao Tom´s Guide

iPhone vs Android é uma batalha que não terá fim enquanto os dois se mantiverem no mercado

Talvez a justificação que podemos encontrar para este fenómeno está no facto de a Apple desenhar o seu próprio hardware e software. Ou seja, a empresa de Cupertino cria algo especificamente pensado para funcionar com aquele conjunto de elementos. Desta forma, o seu desempenho será sempre imaculado.

Já do lado do Android, temos uma Google que desenha o seu sistema operativo e que depois o disponibiliza a terceiros, para estes o implementaram no seu próprio hardware. Em cima disto, temos ainda a questão de algumas marcas alterem o Android a seu bel-prazer, com as suas interface que, em alguns casos, acabam por arruinar por completo todo o potencial do hardware.


Existem casos como o da Samsung ou da Huawei que já desenvolvem os seus própios processadores, mas que depois os implementam no software da Google. Ou seja, será que se estas empresas desenvolvessem o seu próprio sistema operativo seriam capazes de igual a performance de um iPhone 8, por exemplo?

Este é um excelente tema de discussão sobre o atual paradigma do setor mobile. Será que os próximos Pixel poderão concorrer diretamente com a nova geração de smartphones da Apple? Ou o problema estará do lado do processador utilizado, neste caso o Snapdragon 835? Deixa-nos a tua opinião na caixa de comentários abaixo.

Outros assuntos relevantes:

Huawei Mate 10 terá a câmara mais inteligente do mercado?

Xiaomi – Construtora vendeu 10 milhões de smartphones em Setembro

Já podes descarregar aqui o Kernel do Motorola Moto E4

Viabgr
Fontetoms guide
O gosto por tecnologia foi algo que esteve sempre dentro de mim. Com o crescer do mercado dos smartphones, também o meu entusiasmo com os mesmos aumentou. Já nos tempos livres, as séries são o meu principal passatempo.