Citroën AMI vence ‘Produto do Ano’ nos carros elétricos em Portugal

Bruno Coelho
Comentar

O Citroën AMI era um produto muito aguardado, e a sua chegada a Portugal é plena de sucesso junto dos consumidores. O reconhecimento ao quadriciclo da fabricante francesa sobe de tom com a eleição deste como ‘Produto do ano’ na categoria de carros elétricos.

Segundo o que foi revelado, esta premiação surge após terem sido feitas 6598 entrevistas para avaliação em 60 categorias. O Citroën AMI venceu nos veículos elétricos, com notas de 7,3 pontos na atratividade, 8,0 em inovação e 6,6 na intenção de compra. Acabou por receber uma pontuação total de 7,35 pontos.

citroen ami

Caso não saibas, o Citroën AMI chegou ao mercado com o propósito de se afirmar na mobilidade urbana com uma proposta 100% elétrica. Junta a preocupação ambiental ao facto de ser um veículo compacto e barato.

Preços do Citroën AMI começam nos 7750 €

Os preços do Citroën AMI começam nos 7750 €, e sendo este um veículo do tipo quadriciclo ligeiro, pode ser conduzido a partir dos 16 anos. Encontra-se equipado com uma bateria de 5,5 KwH, com autonomia de 75 km.

citroen ami

Este veículo pode ser facilmente carregado numa tomada padrão de 220V em apenas 3 horas. Está disponível em 2 lugares na versão base (AMI AMI), tem versões em laranja, khaki e azul, e duas versões equipadas (AMI Vibe e AMI Pop). Há ainda a versão AMI Cargo, vocacionada para o transporte de mercadorias.

Com as reduzidas dimensões – 2,41 m de comprimento, 1,39 m de largura e 1,52 m de altura -, O AMI ocupa apenas metade de um lugar de estacionamento. Através da app My Citroën é possível aceder à autonomia disponível, quilometragem, tempo restante para um carregamento a 100% e alertas de manutenção.

O processo de compra pode ser feito 100% online, ou nos pontos de venda aderentes da Citroën e na rede de lojas FNAC aderentes.

Editores 4gnews recomendam:

Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.