Banco de Portugal quer que todos os comerciantes utilizem contactless

Filipe Alves
Comentar

O Banco de Portugal quer trazer o pagamento de contactless (ou MBWay) a todos os comerciantes em 2022. De acordo com a medida passada na última segunda feira no plano "Horizonte 2022".

Esta medida que incentivar todos os comerciantes a começar a utilizar modos de pagamento eletrónicos de forma a tonar mais simples, rápida e funcional as formas de pagamento.

Banco de Portugal compara o nosso país aos outros da Europa

pagamento por contactless

No plano "Horizonte 2022" podemos ver que o Banco de Portugal chegou mesmo a comparar Portugal ao resto dos países da Europa. Neste cenário, o nosso país está bem atrás no que toca à utilização de tais formas de pagamento.

Segundo as informações, os comerciantes continuam a trabalhar mais a dinheiro do que em pagamentos eletrónicos. Ainda que os pagamentos eletrónicos sejam cada vez mais habituais.

O objetivo passa por obrigar todos os bancos a trazer cartões contacless a todos os utilizadores. Por sua vez, o Banco de Portugal, quer também obrigar os comerciantes a trazer pelo menos um modo de pagamento eletrónico. Ou contactless ou MBWay.

Vamos falar do elefante na sala

Ainda que a medida seja para uma modernização dos métodos de pagamento, escusado será dizer qual o principal objetivo desta medida.

Muitos comerciantes continuam sem registar muitas das suas vendas em dinheiro. Isso faz com que milhões de Euros não sejam descontados e os impostos fiquem por se pagar.

Inicialmente tivemos o "incentivo" para solicitar contribuinte nas faturas. Em 2021 os QRCode serão obrigatórios em todas as faturas e agora o temos outro "incentivo" para que os comerciantes sejam obrigados a utilizar pagamentos eletrónicos.

Editores 4gnews recomendam:

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.