AdBlock: bloqueadores de anúncios deixam de funcionar no Google Chrome em 2023

Rui Bacelar
Comentar

A popularidade das extensões de bloqueio de anúncios como o AdBlock para browsers como o Google Chrome é inquestionável em 2022. Enquanto principal meio de rentabilização das publicações online, a publicidade é omnipresente na Internet, mas segundo a Google poderemos ter que conviver com ela a partir de janeiro de 2023, sem grande escolha.

Segundo uma nova hipótese avançada primeiramente na plataforma Reddit e substanciada numa publicação recente da Google, a partir de janeiro de 2023, o AdBlock e outras extensões de bloqueio de publicidade poderão deixar de funcionar. Há, contudo, um trabalho a ser feito pela equipa de developers de extensões do Chrome até que tal se materialize.

Fim do AdBlock a partir de janeiro de 2023 no browser Google Chrome

So, come January I'm guessing that Chrome won't retain its global domination belt after all the adblocker extensions stop working...https://t.co/QhJj3DOOFA

— Onno Benschop (@owh) 25 de agosto de 2022

Em causa está o documento interno, partilhado pela equipa responsável pelas extensões do Google Chrome. Aí, temos mais informações e a calendarização já traçada para o desenvolvimento destas ferramentas para o navegador, bem como as principais alterações a ser implementadas na sua raiz. Algo que, tal como apontam os utilizadores no Reddit, terá repercussões sérias.

Mais concretamente, como aponta a equipa de developers, o atual Manifest V2 será alterado pelo sucessor, Manifest V3, já traçado e com entrada em vigor em janeiro de 2023.

A partir de então, esta alteração poderá dificultar o desenvolvimento e produção de novos produtos que bloqueiem publicidade no navegador Google Chrome.

As principais alterações citadas pela equipa de developers do Chrome:

  • Chrome Web Store stops accepting updates to existing Manifest V2 extensions
  • Chrome stops running Manifest V2 extensions
  • Enterprise policy can let Manifest V2 extensions run on Chrome deployments within the organization.

As alterações supracitadas entrarão em vigor em janeiro de 2023. Vejamos, em seguida, aquilo que comportam para os utilizadores do navegador mais popular do mundo.

Manifest V3 trará sérias alterações ao desenvolvimento de extensões do Chrome

Google Chrome Android

Em primeiro lugar, importa frisar que as extensões de bloqueio de publicidade para o Chrome não vão desaparecer. Será, contudo, mais difícil para as respetivas equipas de programação e para os developers criar e desenvolver este tipo de extensões com base no Manifest V3. Resta saber, contudo, se esta é uma consequência desejada pela Google, ou mero fruto do acaso.

Em segundo lugar, até janeiro de 2023 os programadores responsáveis pelo AdBlock e extensões similares já terão tomado as precauções necessárias e procedido às ações que tal comporta. Para além disso, os utilizadores que já têm as extensões instaladas não deverão ser afetados pela mudança.

Há, todavia, um frisar da importância do Manifest V3 nas alterações futuras e no impacto nesta indústria de bloqueio da publicidade. É algo que nos leva a crer que esta é uma consequência desejada pela equipa do Chrome face à importância dos anúncios na Internet e respetivo modelo de negócios da tecnológica norte-americana.

Google quer eliminar a necessidade do AdBlock e outras extensões no Chrome

A Google está ciente que, no final, o único que perderá será o utilizador. Ainda que tenha a maior base de utilizadores do mundo, enquanto navegador, a própria Google está atualmente a trabalhar num futuro "além dos Cookies". Isto com o intuito de proporcionar um modelo de negócios rentável aos anunciantes, e para si, enquanto proporciona uma maior privacidade para o utilizador.

Estas alterações são graduais e faseadas, vivendo para já a Google (sobretudo) das receitas de publicidade). Não obstante, a empresa quer garantir mais privacidade aos utilizadores do Chrome e poderá, inclusive, incluir um bloqueador de anúncios no seu próprio navegador.

Entretanto, temos sempre alternativas viáveis como o Mozilla, Opera e o Brave, entre outras. Note-se que, em simultâneo, a Apple continua a arrogar-se a maior defensora da privacidade dos utilizadores, com um recente estudo a comprovar isso mesmo.

I see that @googlechrome is to remove Adblock support from January 2023 #adblocking #newdefaultbrowser @firefox pic.twitter.com/m8u941G8Sj

— grnnngthng (@grnnngthng) 24 de agosto de 2022

Editores 4gnews recomendam:

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. Ocupa-se com as novidades de tecnologia na 4gnews. Email: ruifbacelar@gmail.com