Xiaomi responde à situação da sua aplicação ter sido banida da Índia

Filipe Alves
Comentar

Ontem referimos que o governo indiano declarou que uma das aplicações da Xiaomi, que normalmente chega instalada nos smartphones da marca, tinha sido banida da Índia.

A aplicação Mi Browser, é a App de internet dos smartphones da Xiaomi com MIUI e deixou de ficar disponível na Índia. Lembro que esta é mais uma aplicação banida no segundo maior mercado do mundo, logo depois de centenas de Apps chinesas seguirem o mesmo curso.

Resposta da Xiaomi à situação

📢 IMPORTANT news about #Xiaomi phones in #India:1) None of the blocked apps will be available2) MIUI Cleaner app is not using Clean Master app banned by Indian Govt.3) 100% of Indian user data stays in IndiaA new version of MIUI coming soon.Please read & spread the news. pic.twitter.com/I1WPAkXVWi

— Mi India (@XiaomiIndia) 7 de agosto de 2020

Em declaração oficial a Xiaomi não podia ter sido mais cordial. Ainda que tenha aceite a decisão, a fabricante chinesa tranquilizou os seus utilizadores na Índia garantindo que a sua informação não é enviada para a China.

Podemos ler em resumo do comunicado:

1) Nenhuma das aplicações bloqueadas estará disponível
2) A aplicação MIUI Cleaner não está a usar a aplicação Clean Master banida pelo governo indiano.
3) 100% dos dados de utilizadores indianos permanecem na Índia

Xiaomi Mi Mix

Resta-nos saber qual será o browser que chegará nos smartphones da Xiaomi na Índia visto que o Mi Browser deixa de estar disponível. O grande candidato é, obviamente, o Google Chrome. Até porque a Google e a Índia estão num bom relacionamento.

Estas decisões de banir aplicações chinesas na Índia é mais que apenas segurança dos utilizadores. Existe neste momento um confronto na fronteira entre a Índia e China onde várias tropas de ambos os países morreram. Resta-nos saber até que ponto é que o governo indiano está disposto a ir.

Editores 4gnews recomendam:

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.