WhatsApp ficará mais parecido com o Facebook Messenger graças a esta novidade

Carlos Oliveira
Comentar

WhatsApp e Facebook Messenger são duas plataformas de comunicação pertencentes ao mesmo grupo empresarial, mas podem ser distinguidas por algumas funcionalidades. Esse lote, no entanto, será menor com a próxima implementação na primeira aplicação.

Segundo o que revela a conta WABetainfo, o WhatsApp prepara-se para suportar reações às mensagens recebidas. Uma funcionalidade muito conhecida na rede social Facebook e nas suas aplicações.

WhatsApp prepara-se para suportar reações com emojis

Tal como acontece com o Facebook Messenger, a implementação das reações visa melhorar a interação entre os utilizadores. Visa igualmente tornar a comunicação com os nossos contactos mais eficiente.

WhatsApp

Esta implementação foi notada com a divulgação da mensagem acima. Nela vemos que o utilizador recebeu uma reação, porém, não a pode visualizar porque a versão da sua aplicação do WhatsApp não o suporta.

Com efeito, a introdução das reações será mais um incentivo à instalação da versão mais recente do WhatsApp. Tal como acontece com outras funcionalidades, as versões mais antigas não serão compatíveis com esta novidade.

Ainda não se conhecem os pormenores desta funcionalidade, mas tudo indica que seja bastante semelhante ao que estamos habituados em aplicações concorrentes. Com efeito, poderemos usar emojis para responder a uma mensagem recebida.

Aproveitando o novo conjunto de emojis recentemente adicionados à plataforma, os responsáveis pelo WhatsApp querem agora transportá-los para as reações. Ideais para respostas rápidas e concisas a determinadas mensagens.

Esta funcionalidade dará uma conotação mais social à plataforma WhatsApp. Poderá ser um incentivo extra aos utilizadores de idade mais jovem, naturalmente mais propensos ao uso de emojis nas mensagens trocadas entre amigos e familiares.

Espera-se que as reações sejam primeiramente implementadas no canal beta do WhatsApp. Após o habitual período de testes, serão disponibilizadas para o canal estável e ficarão acessíveis à generalidade dos utilizadores da plataforma.

Editores 4gnews recomendam:

Carlos Oliveira
Carlos Oliveira
Tendo já passado por várias casas, a 4gnews é aquela que me segura desde 2015. Com um desejo insaciável de me manter atualizado tecnologicamente, a partilha desse conhecimento é apenas o seguimento natural das coisas.