Netflix quer aumentar a velocidade de reprodução dos vídeos. Hollywood está contra

António Guimarães
Comentar

Recentemente, o Netflix começou a testar uma função onde permite controlar a velocidade de reprodução dos seus conteúdos, à semelhança do YouTube. No entanto, Alguns diretores e atores de Hollywood estão completamente contra a implementação dessa funcionalidade.

Caso a função seja implementada, filmes e séries poderiam ser reproduzidas 1.5 vezes mais rápidos. Não tardou até o descontentamento de alguns nomes do a indústria do cinema se manifestarem no Twitter. Aaron Paul, Judd Apatow e Brad Bird são algumas das vozes insatisfeitas com a possibilidade.

Whelp— another spectacularly bad idea, and another cut to the already bleeding-out cinema experience. Why support & finance filmmakers visions on one hand and then work to destroy the presentation of those films on the other??? https://t.co/T7QdYAQGHU

— Brad Bird (@BradBirdA113) 28 de outubro de 2019

Segundo Brad Bird, por exemplo, esta função iria arruinar a experiência original e interferir com as liberdades artísticas dos criadores dos conteúdos. "Conteúdo é feito para ser visto como ele foi feito, não a velocidades maiores".

Como sempre, as respostas da comunidade estão divididas ao meio. Há utilizadores que concordam que este medida só contribui para transformar a indústria do cinema em "fast food". Outros afirmam que cada utilizador deve poder decidir a forma como consome os conteúdos.

Controlo artístico vs impacto tecnológico

De acordo com o Netflix, esta função vem a ser requisitada há muito pelos utilizadores da plataforma. Plataformas como Netflix criaram a cultura do "binge watching" onde as pessoas consomem horas e horas de série de seguida. Aumentar a velocidade é uma forma do subscritor consumir mais conteúdo.

Em suma, esta é uma função que inevitavelmente chegará ao Netflix e talvez outras plataformas. Por mais que Hollywood critique e argumente que estas revoluções tecnológicas prejudicam a visão artística dos criadores, é uma função inofensiva que simplesmente dá mais controlo ao utilizador (que está a pagar pelo serviço) sobre o conteúdo que vê.

Editores 4gnews recomendam:

Comentar
António Guimarães
António Guimarães
Juntamente com os seus atuais companheiros Mi A2 e Surface Go, batalha para elucidar as massas sobre todos os acontecimentos da esfera tecnológica. "Informação é poder" é a frase que o acompanha diariamente. Talvez um dia a coloque numa t-shirt.