As melhores máquinas fotográficas profissionais em 2019

Rui Bacelar

Para profissionais ou grandes entusiastas que procuram a melhor máquina fotográfica. Estas são as melhores câmaras fotográficas da Canon, Nikon, Sony e Fujifilm com sensores full-frame ou APS-C e tipologia DSLR ou mirrorless (sem espelho).

Para cada sistema destacamos o melhor corpo do tipo DSLR e mirrorless com base nas caraterísticas próprias, ciclo de substituição e capacidades para fotografia e vídeo. É o guia de compra para fotógrafos e videógrafos em 2019.

Canon EOS 5D Mark IV - câmara DSLR

Canon
A 5D Mark IV foi anunciada em agosto de 2016

A máquina fotográfica Canon mais versátil, com alguns anos de mercado, mas ainda no topo das mais capazes e procuradas. Ainda que a 1DX Mark II seja oficialmente o modelo de topo, a marca já anunciou o desenvolvimento da nova 1DX Mark III.

Até lá, com a EOS 5D Mark IV temos uma das melhores DSLRs no mercado, com o sistema de focagem automática Dual Pixel AF. Tem um equilíbrio soberbo entre resolução, desempenho em baixa luminosidade e baixos níveis de ruído na imagem.

Sensor: 36 x 24 mm - Dual Pixel CMOS AF
Megapíxeis: 30,4 MP
Encaixe: baioneta EF
Ecrã: LCD tátil fixo de 3''
Visor: Ótico (pentaprisma)
Velocidade de disparo: até 7 fps (fotoramas)
Resolução de vídeo: até 4K a 30 fps - fator de recorte (crop) de 1,27 x
Pontos de AF: até 61 pontos de focagem
ISO: 50 a 102 400
Peso: 800 gramas
Preço: cerca de 2699 €

É uma das melhores máquinas fotográficas profissionais da atualidade, sendo particularmente brilhante na captação de imagem. Já para vídeo, o ecrã LCD fixo, ou o grande crop na filmagem em 4K deixam bastante a desejar, apesar do AF da Canon.

Canon EOS R - câmara mirrorless

Canon
A EOS R foi anunciada em setembro de 2018

A 1.ª câmara Canon full-frame mirrorless foi recebida com criticismo, em parte por ser quase igual à 5D Mark IV no papel e pelo forte recorte na captação de vídeo em 4K. Aliás, a marca estará a trabalhar numa EOS R "Pro" com IBIS, por exemplo.

Sensor: 36 x 24 mm - Dual Pixel CMOS AF
Megapíxeis: 30,3 MP
Encaixe: baioneta RF
Ecrã: LCD tátil de 3,15'' - totalmente rotativo
Visor: Eletrónico / EVF - OLED de 0,5'' -1280 x 960 píxeis
Velocidade de disparo: até 8 fps
Resolução de vídeo: até 4K a 30 fps - crop de 1,7 x
Pontos de AF: até 88% da área (horizontal) e 100% (vertical)
ISO: 50 a 102 400
Peso: 580 gramas
Preço: cerca de 1999 €

O maior trunfo da EOS R é o novo e mais avançado sistema de focagem automática, melhorando o já de si incrível Dual Pixel AF, agora com 5655 pontos de focagem, ou até 100% da área do sensor. Tem um design mais ergonómico, e construção leve.

Outra das novidades é o encaixe RF, já com várias lentes próprias, várias "Red Ring" da melhor qualidade ótica, além de adaptadores versáteis. Esta é a câmara mais futurista da marca, já com o processador de imagem DIGIC 8 e um ecrã totalmente articulável.

Nikon D850 - câmara DSLR

Nikon
A D850 foi anunciada em julho de 2017

É uma das melhores câmaras profissionais da Nikon para fotografia e talvez a melhor DSLR no mercado. Não obstante, a empresa já fez saber que está a desenvolver a D6, modelo de topo, a chegar em 2020 para competir com a 1DX Mark III.

Sensor: 36 x 24 mm - CMOS, FX
Megapíxeis: 45,7 MP
Encaixe: baioneta F / AF
Ecrã: LCD tátil de 3,2'' - rotativo em 170º
Visor: Ótico
Velocidade de disparo: até 9 fps
Resolução de vídeo: até 4K a 30 fps
Pontos de AF: até 153
ISO: 64 a 256 000
Peso: 915 gramas
Preço: cerca de 3199 €

Construída como um tanque, este corpo foi feito para durar, uma vantagem quando utilizamos lentes pesadas. Temos uma pegada firme, vários controlos manuais e uma ótima sensação de robustez nesta câmara com 45,7 MP, perfeita para fotografia.

A qualidade de imagem da D850 é incrível, tal como a autonomia, fazendo até 9 fps ao utilizar a extensão de bateria (grip ou punho). Tem duas ranhuras para cartões de memória, uma para o formato XQD e outra para o tradicional SD/SDHC/SDCX.

Nikon Z7 - câmara mirrorless

Nikon Z7
A Z7 foi anunciada em agosto de 2018

A primeira câmara mirrorless da Nikon foi recebida com grande e merecido entusiasmo. Chegou com a Z6, mais barata e com 24,5 MP, mostrando que a marca está apostar cada vez mais neste formato, além de levar a sério a captação de vídeo.

Sensor: 36 x 24 mm - CMOS, FX
Megapíxeis: 45,7 MP
Encaixe: baioneta Z
Ecrã: LCD tátil de 3,2'' - rotativo até 170º
Visor: Eletrónico / EVF - Quad-VGA de 0,5''
Velocidade de disparo: até 9 fps
Resolução de vídeo: até 4K a 30 fps
Pontos de AF: até 493 (100% da área vertical e horizontal)
ISO: 64 a 256 000
Peso: 585 gramas
Preço: cerca de 3599 €

A Z7 traz-nos um corpo leve, compacto, durável e com uma nova baioneta (Z). Ainda tem poucas lentes NIKKOR Z, mas destaca-se sobretudo pelo sensor de 45,7 MP, ótimo visor eletrónico, por ter IBIS de 5 eixos e captar vídeo a 4K sem recorte.

Tem um sistema de focagem automática hibrido, mais apto para vídeo que o sistema baseado em contraste da D850. Além disso, pode captar até 9 fps sem termos que recorrer à empunhadura de bateria. Peca por ter uma só ranhura para cartões XQD.

Sony A7R IV - câmara mirrorless

Sony
A Alpha 7R IV foi anunciada em julho de 2019

A Sony popularizou o tipo mirrorless e aperfeiçoou-o até este ameaçar destronar definitivamente as DSLR. Com um ciclo rápido de substituição, a gama Alpha R (AR) tem nesta quarta iteração uma câmara profissional para fotografia e vídeo soberbo.

Sensor: 36 x 24 mm - CMOS - Exmor R
Megapíxeis: 61 MP
Encaixe: baioneta E
Ecrã: TFT tátil de 3'' - rotativo até 107º
Visor: Eletrónico / EVF - OLED de 0,5'' - UXGA
Velocidade de disparo: até 10 fps
Resolução de vídeo: até 4K a 30 fps
Pontos de AF: até 576 (100% da área vertical e horizontal)
ISO: 50 a 102 400
Peso: 665 gramas
Preço: cerca de 3999 €

Para captação de vídeo são já um ícone e standard de qualidade, aprimorada na A7R IV, com IBIS de 5 eixos. O seu mecanismo de focagem automática é equiparável ao da Canon como um dos dois melhores do mercado, sobretudo o seu fiável Eye AF.

Vale frisar que a Sony na A9 II a sua câmara topo de gama, orientada para a fotografia de desporto (até 20 fps), com 24,2 MP, mas com um p.v.p de 5400 €. A maioria dos fotógrafos e videógrafos ficará muito bem equipado com a A7R IV, ou até a A7R III.

Fujifilm X-T3 - câmara mirrorless APS-C

Fujifilm
A X-T3 foi anunciada em setembro de 2018

A exceção às demais câmaras full-frame é a X-T3 da Fujifilm que opta por um sensor APS-C, com um fator de recorte de 1,5 x. Aliás, esta marca não produz câmaras full-frame, saltando do APS-C para o formato médio (44 x 33 mm) na linha GFX.

Sensor: 23,5 x 15,6 mm - CMOS 4 - X-Trans
Megapíxeis: 26,1 MP
Encaixe: baioneta X
Ecrã: LCD tátil de 3'' - rotativo até 107º
Visor: Eletrónico / EVF - OLED de 0,5''
Velocidade de disparo: até 30 fps
Resolução de vídeo: até 4K a 60 fps
Pontos de AF: 100% da área do sensor
ISO: 80 a 51 200
Peso: 539 gramas
Preço: cerca de 1300 €

A X-T3 apresenta um design retro com uma plenitude de controlos manuais, sem abdicar dos modos automáticos. Tem um vasto leque de lentes próprias (Fujinon) e a construção é tão sólida como parece, sendo uma ótima alternativa mais em conta.

Brilha no vídeo, captando até 4K a 60 fps, ou Full-HD a 120 fps, mas sem IBIS. Em fotografia tira o máximo proveito do sensor e da ciência de cor da Fujifilm, com várias simulações de filme capazes de arrebatar logo ao sair da câmara, sem pós-edição.

Como escolher uma câmara fotográfica profissional em 3 pontos

1. A escolha do sistema. A Canon tem o seu, tal como a Nikon, Sony ou a Fujifilm, entre outras. Cada sistema tem as suas lentes próprias, otimizadas para os seus corpos, tal como acessórios e soluções de software e assistência, por exemplo.

Os sistemas não são "estanques". Isto é, com recurso a adaptadores podemos utilizar lentes Nikkor (sistema Nikon) numa máquina Canon e vice-versa. Podemos também tirar proveito de lentes antigas ou "vintage" concebidas para qualquer sistema.

2. Optar entre Reflex (DSLR) ou mirrorless. As primeiras têm um maior mercado de lentes, sendo um formato já muito aperfeiçoado, mas tendem a ser mais pesadas e volumosas, por norma não tão versáteis para vídeo.

As câmaras mirrorless tendem a ter uma pior autonomia de bateria se não utilizarmos uma extensão, ou grip. A qualidade de imagem é idêntica, mas tendem a ser melhores para vídeo, sobretudo ao incorporarem estabilização no corpo (IBIS).

3. Definir o uso primário, fotografia ou vídeo. Se for para fotografia, importa lembrar que há modalidades a pedir diferentes lentes e acessórios, com a foto de paisagem e rua a pedir kits mais leves, ao invés do retrato em estúdio, por exemplo.

Para uso pontual, ou como fomento da diversidade criativa, vê também as melhores máquinas fotográficas instantâneas.

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. É na tecnologia que encontrou o seu expoente máximo e na 4gnews a plataforma ideal para a redação e produção de vídeo.