Google não usará outras ferramentas de tracking após o fim dos cookies

Rui Bacelar
Comentar

O fim dos cookies está à vista. Aliás, empresas como a Apple já bloqueiam estes pequenos identificadores no seu browser, o Safari, para iOS e macOS. Agora, a Google revela os seus planos no sentido de se desprender destes mesmos cookies.

Através de comunicado à imprensa intitulado de "Planeando o caminho para uma web com mais foco na privacidade", a empresa partilhou vários objetivos ambiciosos. A importância dos cookies não pode ser menosprezada, mas há alternativas.

A Internet sem cookies e o impacto no motor de busca

Cookies

É difícil imaginar a Internet que conhecemos hoje - com informações sobre todos os temas, em todos os idiomas, na ponta dos dedos de milhares de milhões de pessoas - sem a publicidade como a sua base económica.

No entanto, à medida que a indústria se esforçou para oferecer anúncios relevantes aos consumidores em toda a web, ela criou uma proliferação de dados de utilizadores individuais em milhares de empresas. Por norma, recolhidos por meio de cookies de terceiros.

Esta tendência levou a uma erosão da confiança. A Google aponta que 72% das pessoas sentem que quase tudo o que fazem online está a ser monitorizado por anunciantes, empresas de tecnologia ou outras empresas.

Ao mesmo tempo, 81% dizem que os riscos potenciais que enfrentam devido aos dados recolhidos superam os benefícios. segundo o estudo da Pew Research Center.

A publicidade digital tem que evoluir além dos cookies

Cookies

"Se a publicidade digital não evoluir para responder às crescentes preocupações das pessoas com a sua privacidade e como a sua identidade pessoal está a ser usada colocamos em risco o futuro da web gratuita e aberta.", aponta a Google.

Referindo-se a este problema, a Google já deu a saber que eventualmente removerá o suporte para cookies de terceiros. Mais concretamente, no Google Chrome este processo está em andamento, ao mesmo tempo que se desenvolvem alternativas.

A Google quer dar aos publishers novas possibilidades de distribuição para os seus anúncios e, em simultâneo, resguardar a privacidade dos utilizadores. Para tal, a tecnológica reforça o trabalho na sua Privacy Sandbox.

Sem mais cookies de terceiros ou identificadores - a promessa da Google

"Hoje, tornamos explícito que, assim que os cookies de terceiros forem eliminados, não criaremos identificadores alternativos para monitorizar indivíduos enquanto navegam na web, nem os iremos usar nos nossos produtos.", garante a gigante das pesquisas.

Ainda de acordo com a Google, os consumidores têm novas expectativas relativamente à sua privacidade. Por isso, a empresa afirma que "Não acreditamos que estas soluções respondam às expectativas crescentes dos consumidores quanto à privacidade nem que não enfrentem as restrições regulatórias em rápida evolução, por isso, não são um investimento sustentável a longo prazo."

A tecnológica propõe, em alternativa, a utilização de APIs " que preservam a privacidade, que evitam o rastreamento individual e, em simultâneo, proporcionam resultados para anunciantes e editores." Procura-se o equilíbrio entre rentabilidade e privacidade.

Inovações na privacidade são alternativas eficazes ao tradicional rastreamento

"As pessoas não deveriam ter que aceitar ser rastreadas na web para ter os benefícios da publicidade relevante. E os anunciantes não precisam rastrear consumidores individuais na web para obter os benefícios do desempenho da publicidade digital." Esta é a convicção da Google.

A Google acredita que é no estabelecimento de relacionamentos sólidos com os clientes que reside a verdadeira alternativa às cookies. Isto para que e a publicidade possa ser personalizada e dirigida, sem que se abdique da privacidade.

A gigante das pesquisas garante ainda que continuará a suportar relacionamentos first-party nas suas plataformas de anúncios para parceiros, nas quais eles têm conexões diretas com os seus próprios clientes.

Mais ainda, garante também que irá aprofundar o suporte a soluções que se baseiam em relações diretas entre os consumidores e as marcas e publishers com os quais se relacionam.

A Google quer manter a Internet rentável, mas mais respeitosa para com os utilizadores

Manter a Internet aberta e acessível a todos exige que todos façamos mais para proteger a privacidade.

Para a Google isso significa não apenas o fim dos cookies de terceiros mas também de qualquer tecnologia usada para rastrear pessoas individuais enquanto navegam na web.

"Continuamos comprometidos em preservar um ecossistema vibrante e aberto onde as pessoas podem aceder a uma ampla gama de conteúdo apoiado por anúncios com a confiança de que a sua privacidade e escolhas são respeitadas. Estamos ansiosos para trabalhar com outros na indústria no caminho a seguir.", aponta a empresa.

O fim dos cookies está à vista.

Editores 4gnews recomendam:

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. É na tecnologia que encontrou o seu expoente máximo e na 4gnews a plataforma ideal para a redação e produção de vídeo.