ClubHouse: rede social tem várias falhas de segurança, alerta a Check Point

Rui Bacelar
Comentar

A Clubhouse é a rede social mais "quente" da atualidade, mantendo-se um exclusivo da plataforma iOS da Apple. Há uma versão da app para Android em desenvolvimento, como já o confirmaram os responsáveis, mas há algo mais urgente a ser resolvido.

Segundo os investigadores da Check Point, importa alertar para as potenciais fragilidades de segurança da já mundialmente conhecida aplicação ClubHouse. A sua estrutura contém várias fragilidades de segurança agora expostas.

A rede social do momento tem fragilidades de segurança

ClubHouse Checkpoint

Baseada unicamente em formato áudio, o ClubHouse surgiu em abril de 2020. Atualmente está disponível apenas para o sistema operativo iOS e, para aceder, necessitamos de um convite por um utilizador que seja já membro ou submeter-se a aprovação.

A app para iOS tem crescido exponencialmente, contando já com 10 milhões de utilizadores em todo um mundo. É um número que, a dezembro de 2020, se situava nos 600 000 membros. Entretanto, em janeiro de 2021, a aplicação quintuplicou o seu número de utilizadores, levantando questões de segurança

A crescente popularidade que obteve, a juntar ao facto de se encontrar ainda em fase inicial, contribuiu para que surgissem preocupações globais sobre a segurança do ClubHouse.

A popularidade da ClubHouse levantou várias preocupações de segurança

Em fevereiro deste ano, a Bloomberg reportou que um utilizador não identificado conseguiu transmitir conteúdo áudio de várias salas de conversação para uma plataforma terceira por si detida. Isto apesar de, nos regulamentos da aplicação constar a proibição desta prática. No mesmo mês, o Stanford Internet Observatory (SIO) confirmou que a empresa chinesa agora, fornecedora da infraestrutura da aplicação, tem acesso aos números ID exclusivos dos utilizadores e das salas.

“O ClubHouse está envolto numa onda de popularidade clara, como é costume com qualquer aplicação nova que se destaque. Experienciou um crescimento arrebatador. Algo que excedeu, decerto, as expectativas da empresa, magnificando os potenciais problemas de segurança e privacidade que, noutro cenário, seriam resolvidos durante a fase de pré-lançamento da aplicação. Isto sem que o público geral se apercebesse,” começa por dizer Rui Duro, Country Manager da Check Point Portugal. “Mas estes problemas demonstram que qualquer pessoa que planeie juntar-se ao ClubHouse deve estar ciente dos potenciais riscos,” alerta.

Como podemos proteger-nos de aplicações duvidosas?

Clubhouse

Instalar somente aplicações provenientes de fornecedores oficiais. A solução passa pelo cuidado com o que instalamos no smartphone.

Examinar cuidadosamente as permissões a que consente aquando da instalação de uma aplicação. Muitas vezes permitimos que uma aplicação aceda a todos os dados do nosso dispositivo. É importante resistir ao “Aceitar tudo”.

Desconfiar das recomendações ou convites para uma aplicação. Isto mesmo que provenham de alguém nosso conhecido. Antes de instalar qualquer aplicação, procure informar-se junto de fontes sérias e fiáveis sobre os potenciais riscos que pode estar a incorrer.

Considerar a possibilidade de adquirir uma solução de segurança móvel. Sobretudo para que proteja o dispositivo de aplicações maliciosas ou que não respeitem as normas de privacidade de dados.

Editores 4gnews recomendam:

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. É na tecnologia que encontrou o seu expoente máximo e na 4gnews a plataforma ideal para a redação e produção de vídeo.