xiaomi-ceo

Uma das razões que leva a Xiaomi a conseguir oferecer, nos seus equipamentos, uma fantástica relação qualidade/preço é o facto de vender os seus produtos online. Desta forma a empresa Chinesa consegue poupar muito dinheiro em comissões e transportadoras, algo que empresas como a Samsung ou Huawei, por exemplo, têm de ter em conta quando fixam o preço dos seus equipamentos.

   

Vê também: Está na hora de parar de comprar iPhones, pelo menos por uns tempos

Mas este modelo de negócios não é um mar de rosas. Sem a instalação de lojas físicas, torna-se então mais difícil para a empresa conquistar mercados como o Americano e o Europeu. Aliás, essa foi uma das razões que levou a que a Xiaomi fosse destronada do top-5 mundial por concorrentes como a Oppo e a Vivo.

Mas a Xiaomi parece estar decidida a virar a página e lançar-se finalmente no mundo das lojas físicas, com planos para a abertura de até 1000 lojas físicas nos próximos dois anos. Quem profere tal declaração é o CEO da empresa, Lei Jun, avançando ainda estas lojas possuirão uma área de 250 metros quadrados em grandes cidades.

Infelizmente, Jun não avançou maiores pormenores relativos à localização destas novas lojas, ficando então por saber se será desta que a Xiaomi irá atacar nos mais ferozes mercados mundiais. Em termos de expectativas financeiras para este enorme passo, Jun acredita que conseguirão faturar cerca de 1.43 milhões de Yuan diariamente, o que representa cerca de 193149€.

Uma vez que o volume de negócios da Xiaomi não está limitado ao mercado dos smartphones, foi ainda dito que as lojas em causa possuirão um catalogo entre 50 a 100 diferentes tipos de produtos, portanto não te admires se vires um ar condicionado numa destas lojas.

Talvez queiras ver:

Viagizmochina
O gosto por tecnologia foi algo que esteve sempre dentro de mim. Com o crescer do mercado dos smartphones, também o meu entusiasmo com os mesmos aumentou. Já nos tempos livres, as séries são o meu principal mata-tempo.