Smartphones Android poderão usar sensor de impressões digitais para entrar nos serviços Google

Carlos Oliveira
Comentar

A Google anunciou uma nova funcionalidade que irá fazer das passwords mais obsoletas. A partir dos próximos dias, a Google irá possibilitar a autenticação em alguns dos seus serviços com o mesmo mecanismo de segurança que estiveres a usar no smartphone.

Esta funcionalidade irá funcionar com o Google Chrome em qualquer smartphone com Android Nougat ou acima. Assim sendo, poderás entrar nos serviços Google utilizando o sensor de impressões digitais, o padrão ou o PIN. Tudo dependerá do mecanismo de segurança que tiveres ativo no teu dispositivo.

Isto permitirá que mesmo aqueles equipamentos que não possuam um leitor de impressões digitais possam deixar as passwords de lado. Tudo o que precisarás é de um smartphone com a versão 7 do Android ou superior.

Este método será faseadamente alargado aos vários serviços da Google

Para já, apenas o gestor de palavras-passe da Google faz uso desta nova funcionalidade. Visitando o endereço passwords.google.com, quando for solicitada a verificação da tua identidade, ser-te-á pedido que o faças por intermédio de um dos métodos referidos.

Para que isto funcione, terás de possuir um dos smartphones suportados para esta possibilidade. Ademais, terás de usar o Chrome e ainda teres a tua conta Google ativa no browser.

A empresa norte-americana refere que equipamentos com o Android Nougat ou superior irão ser compatíveis com este novo método de autenticação. Adicionalmente, ela adianta que alguns modelos já estão a receber esta atualização e que mais se seguirão nos próximos dias.

Portanto, se ainda não poderes usar esta funcionalidade no teu smartphone Android, terás de esperar um pouco mais. No meu caso, ainda não tenho disponível esta novidade no meu Samsung Galaxy S8.

Editores 4gnews recomendam:

Comentar
Carlos Oliveira
Carlos Oliveira
Tendo já passado por várias casas, a 4gnews é aquela que me segura desde 2015. Com um desejo insaciável de me manter atualizado tecnologicamente, a partilha desse conhecimento é apenas o seguimento natural das coisas.