Smartphone Android com 150W de carregamento está a caminho

Bruno Coelho
Comentar

A Xiaomi foi a primeira fabricante a trazer para o mercado smartphones com carregamento de 120W disponíveis globalmente. Primeiro fê-lo com o Black Shark 4, e mais recentemente com o Xiaomi Mi MIX 4 ou o Xiaomi 11T Pro.

Essas velocidades são bastante competentes, e permitem que uma bateria de 4500mAh possa ser carregamento em pouco mais de 15 minutos quando dividida em duas células. Isso também permite que a degradação possa ser satisfatória, embora ainda seja uma preocupação para muitos possíveis interessados.

Smartphone com carregamento de 150W pode chegar em 2022

Segundo avança o leaker Digital Chat Station, o próximo passo será um smartphone com carregamento de 150W. Numa publicação enigmática na rede social Weibo, este afirma que “em breve” produzido em massa um smartphone com esta característica.

Xiaomi

Tendo em que conta que o carregamento de 120W já consegue carregar um Mi MIX 4 em pouco mais de 15 minutos, 150W serão ainda mais relevantes. Desta forma, poderemos ter uma bateria a ser carregar em pouco mais de 10 minutos.

Tal como refere o Android Authority, a degradação da bateria é o maior problema quando falamos destas velocidades de carregamento. Por exemplo, a Xiaomi afirma que no seu carregamento de 120W a bateria degrada-se cerca de 20% após 800 ciclos de carga.

Isto significa que a bateria de smartphones com esta velocidade de carregamento degrada-se em 20% ao cabo de dois anos. Não são números que pareçam deixar preocupações, mas é algo sobre o qual só poderemos discernir quando a tecnologia já estiver estabelecida no mercado durante esse período.

Resta saber como se pode portar tecnologia de carregamento de 150W ao nível de degradação da bateria. A fonte não refere a marca que vai apostar em primeiro nesta tecnologia, mas a Xiaomi e a Oppo serão boas candidatas.

Editores 4gnews recomendam:

Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.