Realme GT2 Pro terá uma funcionalidade que promete surpreender

Bruno Coelho
Comentar

A Realme prepara a apresentação oficial dos seus novos smartphones topo de gama. Em especial o Realme GT2 Pro que será o primeiro smartphone verdadeiramente premium já lançado pela marca.

A fabricante chinesa tem-se desdobrado em apresentações prévias para divulgar o equipamento, que será comandado pelo processador Snapdragon 8 Gen 1. Mas a divulgação oficial acontece a 4 de janeiro.

Xu Qi Chase, um dos vice-presidentes da marca, avançou que o smartphone terá uma “tecnologia de reconhecimento de impressões digitais totalmente nova”. Mas o que salta à vista é que esta será acompanhada por uma “nova funcionalidade”.

Realme GT2 Pro deve monitorizar batimentos cardíacos no sensor de impressões digitais do ecrã

Segundo o site Gizmochina, a imagem partilhada pelo executivo dá a entender que existirá nesse sensor a possibilidade monitorizar os batimentos cardíacos. O que significaria que o utilizador teria apenas de colocar o polegar no ecrã para fazer a medição.

Esta é uma funcionalidade verdadeiramente interessante, vista de fora. Mas só saberemos a sua efetividade e o quão precisa pode ser, quando utilizada em contexto real e comparada com outros equipamentos que realizam estas medições.

Recorde-se que o leaker Digital Chat Station veio anteriormente a público afirmar que o sensor de impressões digitais do Realme GT2 Pro será algo diferente. E poderia ser a isto que a fonte se referia.

De qualquer das formas, não faltam muitos dias para sabermos todos os detalhes sobre o Realme GT2 Pro. O que já é oficial é que terá uma câmara ultrawide verdadeiramente interessante, NFC 360º e design focado na sustentabilidade.

Editores 4gnews recomendam:

  • Realme GT 2 Pro será o primeiro do mundo nestas 3 inovações
  • Xiaomi apresenta nova Smart TV de 70” polegadas com preço de amigo
  • Xiaomi Redmi Buds 3 Lite oficiais globalmente: auriculares Bluetooth baratos que vão conquistar
Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.