Samsung-Galaxy-Note5-official-images-4Olhando para as tendências actuais de mercado ou simplesmente entrando numa das principais superfícies comerciais rapidamente nos apercebemos de que os smartphones têm ficado cada vez maiores e com ecrãs cada vez mais vibrantes mas nem sempre foi assim…

Em boa verdade, há pouco mais de um dois, a nossa noção de smartphone grande aplicava-se a tudo o que tivesse mais de 4 polegadas de ecrã. Tudo o que ultrapassasse essa fasquia era considerado um exagero e uma clara tentativa de tentar “dar nas vistas”. Foi nesse panorama que a Samsung lançou o seu primeiro Galaxy Note, uma autêntica aberração da natureza que rapidamente ganhou o apelido de “telha” entre o burgo lusitano. Pois bem, essa “telha” acabou por criar todo um novo mercado, moldando inclusive as tendências da indústria de dispositivos móveis. Sem o saber, a Samsung tinha condenado esses “hobits” com 3.5 ou 4 polegadas, era só uma questão de tempo.

Pois bem, com o lançamento dos Galaxy Note 5 e do Galaxy S6 Edge+, será que a gama Note ainda é especial? Terá ainda a irreverência, a potência e o espírito de trabalho que a caracterizaram desde que foi lançada? E já agora, o que é que o tornou especial?

   

O Ecrã

Quando foi lançado, o Galaxy Note foi considerado demasiado grande, algo que roçava o ridículo, era mais tablet do que smartphone e na altura ainda não se tinha generalizado a palavra phablet. Pois bem, logo no ano a seguir quando o Galaxy Note 2 foi lançado e vendeu milhões de unidades, aí sim, as concorrentes da Samsung acordaram para uma nova realidade. Era tempo de pensar em grande!

No entanto, até que a concorrência lançasse bons equipamentos com ecrãs grandes, a Samsung manteve-se a única escolha para todos aqueles que pretendiam um grande smartphone ou um grande ecrã e mesmo quando a concorrência já tinha algo para oferecer, a Samsung continuou a ter um outro factor chave, os seus arrebatadores ecrãs AMOLED e Super AMOLED.

A S-Pen

O Galaxy Note destacou-se não só pelo seu tamanho mas também por causa de um novo acessório, a S-Pen, uma “canetinha” que, pelo menos para alguns, deve ter despertado as memórias  dos tempos do giz e da lousa e mais recentemente, da era dos PDA’s. De repente a caneta estava outra vez na moda!

Actualmente algumas marcas já oferecem uma caneta ou stylus para os seus equipamentos e existem milhares de vendedores externos que proporcionam soluções semelhantes à S-Pen. No entanto, a S-Pen é bem mais do que uma stylus, no seu ADN possui muitas características que só se tornam evidentes quando a usamos com o respectivo Note. Algo que nenhuma concorrente conseguiu igualar até à data.

Esta S-Pen também é bastante prática de usar e guardar uma vez que está alojada no próprio Galaxy Note 5 e não precisarás de ter um especial cuidado para a trazer, além de estar mais protegida e menos susceptível a ser esquecida.

Além disso, a cada nova geração de Galaxy’s Note a S-Pen foi recebendo novas funcionalidades e melhorando o seu feed-back, usufruindo actualmente de modos como o reconhecimento de caligrafia que simula a experiência de escrever em papel com uma caneta convencional.

A produtividade da TouchWiz UI

Outro dos pontos fortes da gama Galaxy Note foram as inúmeras possibilidades da interface TouchWiz UI que tira proveito deste grande ecrã e que, em suma, aumenta bastante a produtividade do equipamento. Muitas outras marcas criaram smartphones com ecrãs grandes mas poucas conseguiram ou sequer tentaram optimizar a sua interface para tirar proveito de todo o espaço extra.

A Samsung com a sua TouchWiz UI consegue tirar máximo proveito do ecrã bem generoso e mesmo assim consegue tornar o equipamento utilizável com uma só mão, encolhendo a interface para o ocasional uso sem as duas mãos. Temos também as potencialidades do modo Multi-Window permitindo-lhe abrir e utilizar duas aplicações lado a lado para que consiga trabalhar mais e melhor num ecrã grande.

Este modo Multi-Window é particularmente invejado por todas as suas concorrentes, todas elas tentaram imitar ou incorporar algumas das suas funcionalidades e algumas até conseguiram chegar bem perto. No entanto, o verdadeiro potencial da TouchWiz UI só é revelado com a utilização da S-Pen, aí sim, sentimos que temos algo poderoso nas nossas mãos, fazendo toda e qualquer concorrência empalidecer.

Esta gama Note destinava-se aos utilizadores intensivos, a quem precisava de trabalhar eficazmente. Nesse ponto a interface TouchWiz com o seu Multi-Window permitia fazer pelo menos duas tarefas ao mesmo tempo e, apesar de nem toda a gente gostar da sua aparência geral ou do seu peso no equipamento, a sua utilidade era e é inegável.

Galaxy Note 5 que ainda há bem pouco tempo ficamos a conhecer traz novas funcionalidades que poderás consultar aqui:5 novas funcionalidades da S-Pen incluida no Samsung Galaxy Note 5Samung Note 5 4GN

Será que o Galaxy Note 5 ainda merece a nossa atenção?

No ano passado o Samsung Galaxy Note 4 foi anunciado na IFA Berlim, tendo direito a vários teasers nas semanas que antecederam o lançamento, notava-se a dedicação da marca, o esforço de uma gigante para aguçar a curiosidade do público, algo de potente se avizinhava e algo bem potente, premium e robusto foi apresentado, o Galaxy Note 4 foi o apogeu desta gama, o Galaxy Note 5, a sua graciosa queda.

Os Note’s sempre tiveram um design icónico, mais ou menos angular mas com uma aparência geral sóbria, profissional. No seu interior tinham baterias com grande capacidade e se estas não fossem suficientes bastava tirar a tampa e troca-las. Este ano nem teasers, nem baterias grandes nem baterias removíveis.

Sinceramente, o maior desafio da Samsung este ano será diferenciar entre si o Galaxy Note 5 do Galaxy S6 Edge+ e ambos da feroz competição. Ambos uma elegante sandwich de metal e vidro, a diferença assenta na S-Pen do Galaxy Note 5 e uma ou outra funcionalidade da TouchWiz, algo simbólico.

Sobre a competição a Samsung ainda tem o trunfo dos seus ecrãs Super AMOLED, sem dúvida uns dos melhores do mercado e certamente os mais atractivos mas será isso suficiente para convencer os consumidores a desembolsarem quantias cada vez mais astronómicas por um pedaço de tecnologia?

Quando vi o preço dos Galaxy S6 e S6 Edge a baixar abruptamente em cerca de 150€ soube que estavam a preparar o terreno para este Galaxy Note 5, tome-se o exemplo do recuo do mar perante a iminência de um Tsunami. Por muito elegante, poderoso e por muito brilhante que seja o seu ecrã, pelo menos a mim não me atrai, o seu preço invalida os seus trunfos.

A S-Pen e o ecrã continuam a ser bastante atractivos mas a ausência de uma bateria removível, e não me venham dizer que o carregamento rápido ou sem-fios vêm corrigir tudo isso, mera areia para os olhos! Além disso deixamos de poder expandir a memória interna com um cartão microSD e somos obrigados a pagar ainda mais por mais alguns GB’s, não, não me convence.

Vê também: Resumo de todas as novidades apresentadas pela Samsung neste Unpacked de Agosto.

Será o S6 Edge+ o futuro da linha Note ou o seu carrasco?

Não precisamos de ir muito longe para perceber que o equipamento favorito da marca é o Galaxy S6 Edge+, basta consultar o site da Samsung Portugal ou da maioria dos países europeus. Tentem encontrar lá alguma secção dedicada ao Galaxy Note 5, boa sorte!

Aliás, o Galaxy Note 5, ao que tudo indica, não será comercializado no mercado europeu num futuro próximo. Esta medida prende-se com estudos de mercado e as novas tendências do público. Pode parecer injusto e irritante para muitos adeptos da linha Note mas a verdade é que esta gama quando foi criada destinava-se aos Power Users mais voltados para a produtividade e com actividades ligadas ao sector empresarial.

Pois bem, deste então que mais e mais pessoas compravam Note’s para ter um ecrã grande e não necessariamente para dele retirar uma maior produtividade. Esta foi uma tendência que se veio a fazer sentir com maior intensidade no último ano e, ao estudar o mercado (e ao olhar para o estrondoso sucesso do Apple iPhone 6 Plus) a Samsung rapidamente percebeu que tinha de criar um artigo para as massas e o que o público geral queria não era a produtividade da S-Pen mas sim um ecrã grande para ver vídeos, jogar, tirar selfies, gravar vídeo e demais actividades de entretenimento.

Galaxy Note 5 é uma máquina de trabalho voltada para um determinado nicho de mercado, o Galaxy S6 Edge+ é um produto destinado ao mercado geral, a um público muito mais abrangente. Além disso, a Samsung estará agora equipada tal e qual a Apple com o iPhone 6 e iPhone 6 Plus (Galaxy  S6 EdgeGalaxy S6 Edge+). Esta junção de factores ditou o afastamento do Galaxy Note 5 enquanto “filho predilecto” da marca, um título que doravante será ocupado pelo Galaxy S6 Edge+.

Se isto representa o fim da linha para os Note, creio que não, apesar de não ter a atenção que outrora tivera, estou certo de que a marca continuará a refrescar esta gama de equipamentos que passarão a ser concebidos especificamente para o nicho de mercado a que se destinam, essa será a grande diferença.

Este Galaxy S6 Edge+ não será o carrasco da linha Note mas será a nova predilecção da marca, isso é certo. Deixo-vos com os vídeos de apresentação das novas maravilhas da Samsung.