mark zuckerberg facebook - 4gnews.pt

No rescaldo das eleições norte-americanas que deram a vitória a Donal Trump, o Facebook começou a ser alvo de duras críticas face ás inúmeras notícias falsas que circularam sem qualquer controlo nesta rede social e que poderão ter influenciado parte do eleitorado. É sabido que o Facebook é, cada vez mais, o sítio favorito para ler notícias e ver o que se passa no mundo, algo que até o presidente cessante, Obama, referiu durante uma conferência de imprensa.

Mark Zuckerberg, em defesa da sua rede social, tentou acalmar os ânimos e admitiu que a empresa tem muito trabalho pela frente e terá que desenvolver novas estratégias para combater uma das mais perigosas epidemias que assolam o Facebook, uma instituição que certamente consultas diariamente e que é o mais próximo de um jornal (já nem digo de um livro) a que milhares de jovens se darão ao trabalho de ler.
Empenhado no combate à contra-informação ou às notícias, sites, blogs e publicações que não se dão ao trabalho de fundamentar as suas alegações, Mark Zuckerberg publicou na sua página algumas das directivas e objectivos para limitar a propagação de informações falsas, sem se tornarem em árbitros da verdade. Vejamos, é perigoso ditar o que é certo e errado e não se tornar na "mão invisível" que nos fará chegar esta ou aquela notícia ao nosso "feed" de Facebook.

   

Alguns dos sistemas e ferramentas a ser desenvolvidos correntemente pelo Facebook incluem mecanismos que permitirão assinalar notícias potencialmente falsas, mais meios para os utilizadores denunciarem informações ou artigos claramente falsos, melhorias nas recomendações, punições para sites que fazem demasiado Spam ou que notoriamente retiram lucro de histórias sem fundamento.

Para além destes mecanismos e novas políticas, o Facebook irá trabalhar com alguns jornalistas e instituições para verificar factos e alegações numa tentativa de sanear alguns dos conteúdos que diariamente circulam nesta rede social.

Em suma, as estratégias do senhor Zuckerberg para sanear o Facebook destas histórias falsas, ou pelo menos limitar a sua circulação são de aplaudir. Contudo, não avançou nenhuma data concreta para a sua implementação. Resta-nos esperar que elas sejam efectivamente aplicadas para tornar "A rede social" num local mais honesto.

Talvez queiras ver:

3 milhões de Androids estão vulneráveis a ataques de malware

Huawei oficializa sorrateiramente o seu novo Mate 9 Lite

Apple admite finalmente problema que afecta alguns ecrãs do iPhone 6 Plus