Exclusivo 4gnews: Xiaomi revela objetivos para os próximos 3 anos

Bruno Coelho
Comentar

A Xiaomi chegou oficialmente a Portugal em 2019, mas rápido se cimentou no nosso país. Volvidos dois anos, a fabricante chinesa tem uma quota de mercado 24% em Portugal. Quais serão os objetivos da empresa para os próximos anos?

Num exclusivo 4gnews entrevistamos recentemente Tiago Flores, Country Director da Xiaomi Technology. Sem falar em objetivos de quota de mercado, o executivo afirma que a marca tem outros números em mente para os próximos anos.

Xiaomi quer ter um equipamento em todas as casas portuguesas em 3 anos

“Para já, o objetivo passa por ter um equipamento Xiaomi em todas as casas portuguesas em três anos, o que se traduz em 5 milhões de equipamentos vendidos durante esse período”, começa por dizer.

Tiago Flores
Tiago Flores, Country Director da Xiaomi Technology

Este é considerado um objetivo ambicioso, mas a Xiaomi acredita que poderá concretizá-lo. Para isso apoia-se em parâmetros como “a qualidade dos nossos produtos e os nossos valores que passam pela inovação, preço justo e inclusão digital”.

Segundo a Xiaomi, o consumidor português percebe cada vez mais que é conveniente e eficiente ter uma vida mais conectada. E a Xiaomi apoia-se num estudo em que as pessoas, “na sua grande maioria, consideram as suas casas aborrecidas”.

Parece haver uma mudança no comportamento do consumidor, e esta vem no interesse de haver maior conetividade em casa. Isto é conseguido com o smartphone que funciona como hub de todos os dispositivos existentes em casa, usando uma simples app como a Mi Home.

Parece ser este ponto base em que a Xiaomi se quer suportar para conectar o país nos próximos 3 anos com 5 milhões equipamentos vendidos em Portugal.

Confere a entrevista completa a Tiago Flores, Country Director da Xiaomi Technology.

Editores 4gnews recomendam:

Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.