Entrevista 4gnews a Huawei Portugal: “Nos próximos cinco anos, mantemos a ambição de sermos número um em wearables e PC"

Mónica Marques
Comentar

Antes de sofrer pesadas sanções que afetaram a sua quota de mercado global, a Huawei era uma umas marcas que mais vendia em todo o mundo. Continua a lutar para manter-se como um player proeminente do mercado e tem vindo a lançar equipamentos que estão a revelar-se campeões de vendas no seu segmento.

A filial de Portugal tem um novo Country Head de CBG da Huawei Portugal, de seu nome Jiandong, que já enaltece o contributo dos consumidores portugueses para o crescimento da marca. Falamos com este responsável máximo para sabermos como a marca vê o mercado português e como pretende alcançar o objetivo de ser líder de mercado nos segmentos de wearables e PC. Convidamos-te a ler a entrevista exclusiva 4gnews na íntegra de seguida.

Jiandong, Country manager Huawei Portugal
Jiandong, Country Head de CBG da Huawei Portugal em entrevista exclusiva ao 4gnews Crédito@Huawei

1. Quais são as prioridades para o mercado português, agora que a Huawei Portugal conta com um novo Country Head?

Para o mercado português, a Huawei tem como objetivo liderar no mercado dos wearables e conquistar, sem nunca perder o foco nas restantes categorias de produtos que fazem parte do nosso portfólio. Queremos sem dúvida fazer a diferença e crescer nos diversos mercados onde estamos presentes, desde os PCs, onde temos registado valores muito positivos nos poucos anos em que estamos presentes neste mercado, passando ainda por outras categorias como o áudio ou os tablets e, mais recentemente, pelos monitores

Queremos, ao mesmo tempo, continuar a oferecer experiências de alta qualidade e inovação, priorizar o design de ponta e oferecer um serviço pós-venda de excelência, garantindo que a nossa tecnologia se adapta na perfeição às necessidades de todos os consumidores.

É no sentido de realizar estes mesmos objetivos que trouxemos para Portugal, nos últimos dois meses, novos wearables de alta qualidade como é o caso dos Huawei Watch GT 3 Pro 46 e 43, Huawei Watch Fit 2 e Huawei Band 7 e na categoria de PCs, os recentíssimos Huawei MateBook 16s e Huawei MateBook D 16.

2. Quais são os desafios específicos do mercado português para a Huawei Portugal?

Os portugueses são early adopters de novas tecnologias e de experiências inovadoras – e é principalmente por esse motivo que adoram a nossa marca, pois sabem que a Huawei está constantemente a trazer para o nosso mercado novos produtos com tecnologia de ponta. Os últimos três anos foram, de facto, desafiantes para a Huawei, com o nosso negócio de smartphones a sofrer os impactos das novas medidas impostas pelo governo norte-americano e depois com a pandemia e todas as implicações que dela surgiram em termos de escassez de materiais.

Porém, isto não nos impediu de continuar a desenvolver produtos inovadores em todas as categorias, desde novos smartphones dobráveis, como é o caso do Huawei P50 Pocket que lançámos em Portugal no início deste ano e que é o nosso primeiro smartphone dobrável em formato de bolso. Ou o mais recente Huawei Mate Xs 2 apresentado em Milão em maio, as smartwatches com duas semanas de bateria, que se focam não só na monitorização da saúde dos utilizadores e na capacidade de os acompanhar nos seus treinos, mas também no design e na qualidade dos materiais.

Prova disso, são os novíssimos Huawei Watch GT 3 Pro e Huawei Watch Fit 2, monitores com acabamento premium e experiência de elevada qualidade, como o Huawei Mateview, auriculares e colunas com som de excelência – em parceria com algumas das maiores empresas especializadas em tecnologia de áudio –, como é o caso dos recém lançados Huawei Freebuds Pro 2.

E ainda computadores e tablets que se adaptam a diferentes consumidores e às suas necessidades, desde os mais exigentes que procuram uma solução para o trabalho híbrido, com os novos Huawei Matebook 16s e Huawei Matebook D 16 ou o Huawei MatePad 11, aos mais pequenos, como o tablet que desenvolvemos a pensar nas crianças, e nos seus pais, o Huawei MatePad T10 Kids Edition.

Os consumidores portugueses têm contribuído sobremaneira para o crescimento das várias categorias da Huawei. Apesar dos desafios que foram surgindo no caminho ao longo dos últimos anos, temos conseguido corresponder com sucesso a todas as necessidades do consumidor e continuamos a provar que ele será sempre o centro do nosso negócio e de tudo o que fazemos.

3. Qual o equipamento Huawei com mais sucesso em Portugal?

A esmagadora maioria dos equipamentos que temos vindo a lançar no mercado tem tido um enorme sucesso qualquer que seja a categoria. No caso dos relógios inteligentes, por exemplo, tivemos resultados excelentes no ano passado e foi exatamente por essa razão que decidimos lançar os seus sucessores (como é o caso dos Huawei Watch GT 3 Pro, Huawei Watch Fit 2 e Huawei Band 7), que até à data também têm sido muito bem recebidos.

Grande parte desse sucesso deve-se aos dois principais pontos fortes de assinatura Huawei: a capacidade de bateria imbatível e o design contemporâneo inigualável, o que coloca os nossos wearables num lugar de destaque no que toca às preferências dos portugueses. Exemplo disso é a série Huawei Watch GT, que é considerada uma das séries de smartwatches mais revolucionárias do mercado, graças às funcionalidades de topo que oferece e à excelente relação qualidade-preço que assume.

Prova disso são as mais de 100 mil unidades vendidas da série Watch GT desde a sua chegada a Portugal e do facto de um dos nossos maiores sucessos de vendas ser a edição de 42mm com a bracelete em dourado, que mostra que trouxemos, de facto, algo que estava em falta no mercado feminino: um relógio inteligente elegante, capaz de ser, ao mesmo tempo, uma forma de monitorizar a saúde, um personal trainer e um assistente pessoal.

Também o Huawei Watch Fit mostrou ser um relógio de enorme sucesso em Portugal, registando mais de 35 mil vendas desde o seu lançamento. Os consumidores ficaram rendidos a este relógio, que abriu caminho para uma nova série de sucesso nos smartwatches em Portugal, que procuramos continuar, agora, com o novo Huawei Watch Fit 2.

Além dos wearables, também os computadores têm tido bastante êxito nos últimos anos, graças ao seu excelente desempenho, à leveza e ao design que os caracterizam e ao facto de serem uma ferramenta fundamental para tornar a vida mais produtiva no trabalho e nos estudos. Nesta nova realidade em que vivemos e onde o local de trabalho deixou de ser apenas o escritório, o lançamento de opções como o Huawei Matebook 16s e Huawei Matebook D 16 terá certamente um impacto positivo junto dos consumidores portugueses.

Acreditamos que este grande sucesso advém do facto de oferecermos produtos diferenciados por um preço bastante interessante. Estamos conscientes de que este é o resultado de anos de investimento e de conhecimento tecnológico aprofundado, que, felizmente, tem vindo a materializar-se em equipamentos cada vez mais inovadores, sofisticados e focados naquilo que são as necessidades dos consumidores.

4. Como pretende a Huawei liderar o mercado de wearables e PC em Portugal?

Sabemos que só podemos ser a empresa líder neste segmento se continuarmos a priorizar continuamente as necessidades dos nossos consumidores. Os portugueses procuram relógios inteligentes que não só apoiem o seu desempenho físico pessoal e a monitorização da sua saúde, mas também que tenham uma estética moderna que represente a sua personalidade e que seja capaz de se adaptar às diferentes situações do dia a dia, desde a ida ao ginásio até à reunião de trabalho ou ao jantar de fim de semana descontraído com os amigos.

Tendo estas necessidades em mente, para liderar o segmento dos wearables, continuaremos a recorrer ao melhor que a tecnologia de ponta pode oferecer para criar relógios inteligentes que reúnam tudo o que o consumidor procura: monitorização dos principais parâmetros de saúde 24/7, design premium e confortável, bateria de longa duração, acompanhamento de treinos profissional, a capacidade de atender e de efetuar chamadas diretamente no relógio e ainda a possibilidade de receber todo o tipo de notificações (desde SMS, a redes sociais e até alertas para beber água ou levantar-se da cadeira).

Este ano já lançámos três smartwatches que se desdobram em dezasseis versões diferentes com braceletes e estilos totalmente únicos. Temos, neste mercado, propostas de valor em todos os segmentos de preço e somos já líderes no segmento dos 75€ aos 250€, onde detemos mais de 50% das vendas.

No futuro, planeamos, não só manter este posicionamento como continuar a trazer novos wearables que respondam às necessidades específicas do momento e a outras que surgirão. Quanto à categoria de PCs, pretendemos apostar na oferta de uma ótima relação qualidade-preço, que aliás é o que temos feito até agora, e em características e funcionalidades repletas de inovação, proporcionando experiências visuais imersivas, construções compactas e resistentes e uma autonomia da bateria e experiência de utilização absolutamente irrepreensíveis.

Prova disso são os nossos mais recentes lançamentos, o Huawei MateBook 16s e o Huawei MateBook D 16. O primeiro vem equipado com um processador de alto desempenho e é o companheiro perfeito para libertar a criatividade dos utilizadores; o segundo é perfeito para profissionais e criativos que precisem de um dispositivo que lhes permita trabalhar sem problemas enquanto se deslocam livremente.

Ambos foram desenvolvidos com o objetivo de expandir as soluções de Smart Office, oferecer mais espaço no ecrã para navegar sem comprometer o tamanho do dispositivo, oferecer tarefas de escritório móvel simplificadas, hardware avançado para múltiplas utilizações e muito mais.

5. Atualmente qual é o volume de vendas em Portugal em cada segmento de produto?

Neste momento, representamos no total 18% do mercado de wearables e temos 50% do mercado no segmento de 75 a 250 euros. No segmento de dispositivos por menos de 150 euros, os Huawei Watch Fit New e Active são os modelos com mais sucesso, tendo registado já mais de 35 mil unidades vendidas desde o seu lançamento, no verão de 2019.

No segmento acima, os modelos Huawei Watch GT 2 e GT 3 são também best sellers em Portugal, tendo já sido vendidas mais de 100 mil unidades desde o seu lançamento, com a opção feminina, em dourado, a representar mais de 60% do total de vendas dos dispositivos de 42mm. Ainda no mercado dos wearables, temos observado várias transformações que ocorrem dentro do tipo de procura dos consumidores.

A Huawei deu os primeiros passos neste segmento começando por apresentar alguns modelos mais básicos como é o caso das bandas inteligentes, mas o que é certo é que os consumidores começam, agora, a procurar novas opções, mais robustas e mais completas. A ideia é perpetuar esta tendência e acompanhar a evolução do mercado.

O segmento dos PCs tem, também, revelado resultados muito interessantes no nosso mercado: em 2021, a temporada de regresso às aulas marcou uma subida da nossa quota de mercado, período em que a Huawei conseguiu representar 10% do segmento de PCs em Portugal.

Acreditamos que este ano voltaremos a repetir o que aconteceu no ano passado ou mesmo suplantar este resultado com as nossas novas opções de Matebook ideais para o trabalho hibrido (Huawei MateBook 16s e MateBook D 16).


6. No primeiro trimestre de 2022, as vendas globais de smart bands desceram, enquanto as vendas globais de smartwatches registaram um crescimento. A Huawei vai acompanhar a tendência do mercado e apostar mais em smartwatches em detrimento das pulseiras inteligentes?

Neste momento, como já dissemos, os wearables são uma categoria de produto bastante importante para nós e, por essa mesma razão, o nosso objetivo será estar presente nos diferentes segmentos de wearables, desde os mais baixos com as pulseiras inteligentes aos mais premium, como é o caso da gama Watch GT 3 Pro. O segmento das smart bands é, em essência, um segmento muito importante para quem quer apostar em wearables como nós, já que representa uma porta de entrada no Universo dos wearables. Consumidores com pouca experiência, optam, muitas vezes, pela escolha de uma pulseira inteligente para seu primeiro dispositivo wearable, servindo, depois, como rampa de lançamento para aderir a dispositivos mais completos no futuro.

Para provar que pretendemos, de facto, disponibilizar aos consumidores dispositivos para todas as suas necessidades, apresentámos, no evento de lançamento do Huawei Watch Fit 2 e do Huawei Watch GT 3 Pro, que aconteceu o mês passado, em Milão, a nossa mais recente banda — a Huawei Band 7 —, sucessora da Huawei Band 6, que é, desde o seu lançamento, um dos produtos mais vendidos na nossa plataforma de e-commerce em Portugal.

Com isto, queremos continuar a apostar em pulseiras inteligentes que possam trazer algo de novo ao mercado português e iremos manter a nossa estratégia, focada na inovação e na qualidade, continuando a fazer o que sempre fizemos de melhor e a fornecer soluções baseadas em cenários que complementem o nosso ecossistema e simplificam o quotidiano dos consumidores.

7. Como pretendem recuperar posicionamento no mercado de smartphones, tendo em conta as limitações a que estão sujeitos no que respeita às comunicações 5G?

Os nossos smartphones têm tido uma ótima adesão por parte do público português. Exemplo disso é o Huawei nova 9 SE, lançado este ano, que foi um sucesso de vendas no nosso país por ser grandemente focado nas necessidades dos consumidores mais jovens, para quem a questão das comunicações 5G não se encontra no topo das prioridades, nem tão pouco representa a característica que mais procuram num smartphone.

Com a gama nova decidimos apostar não só na fotografia, como já vem sendo hábito na Huawei, mas também na parte de vídeo e nas diferentes e inovadoras soluções de criação e edição de conteúdos “on the go”, que sabemos que são das características mais importantes que o público destes smartphones procura no momento de escolher um novo dispositivo.

Acreditamos que os nossos pontos fortes, tanto nos smartphones como nos outros segmentos, podem falar mais alto do que as nossas possíveis limitações, que sempre tentámos ultrapassar. A Huawei prefere direcionar todo o seu foco para funcionalidades que sejam verdadeiramente importantes, como a fotografia, o design e a autonomia da bateria, por exemplo.

8. Os smartphones dobráveis vão continuar a ser uma aposta da marca para o mercado europeu?

Acreditamos que os smartphones dobráveis são o futuro, e, por isso, temos vindo a investir na inovação e na procura do melhor design aliado à melhor experiência de utilização para este tipo de dispositivos.

O Mate XS, o Mate X2 e o P50 Pocket mostraram já a nossa capacidade neste campo e o Mate XS 2, o mais recente lançamento, volta a fazer um upgrade a esta tecnologia, destacando-se das alternativas da concorrência pela sua qualidade de construção.

9. Até ao final do ano, quais são os novos produtos Huawei já lançados (ou previstos para lançamento) em outros mercados europeus que vão chegar a Portugal? Nomeadamente, quando é que o novo dobrável Mate XS 2 chega ao mercado nacional?

Portugal é um dos países mais importantes para a Huawei, uma vez que representa um cenário de enorme sucesso de vendas na Europa Ocidental e que tem recebido muito bem os novos dispositivos, quer sejam smartwatches, smartphones, PC’s, monitores ou produtos de áudio. Acabámos de lançar, este mês, os novos computadores da série Huawei Matebook — PCs de alta tecnologia pensados para os criativos e estudantes desta nova era de trabalho e estudo - e, também, um novo dispositivo áudio da gama premium, os Huawei Freebuds Pro 2, que prometem marcar categoricamente os mercados europeus, pela sua qualidade e versatilidade, e, mais concretamente, o mercado português.

Vamos ainda trazer, até ao final do ano para Portugal e, como já foi anunciado, dois novos wearables especializados, um que avalia a tensão arterial do utilizador, o Huawei Watch D, e ainda o nosso primeiro relógio para crianças. Relativamente ao novo dobrável Huawei Mate Xs2, este já está à venda na Alemanha desde o mês passado e estamos a reunir todos os esforços para que, em breve, também chegue a outros países da Europa, incluindo Portugal, onde este tipo de dispositivos é sempre muito bem recebido pelos consumidores.


10. Quais as expetativas da Huawei para o mercado português nos próximos cinco anos?

Nos próximos cinco anos, mantemos a ambição de sermos número um em wearables e PCs e pretendemos continuar a surpreender os nossos consumidores com produtos que sirvam, sobretudo, para descomplicar o seu dia a dia com a máxima sofisticação e competência. Para superar os desafios, continuaremos a trabalhar com parceiros de topo da indústria em todo o mundo e a apostar tanto em hardware como em software.

Queremos continuar a desenvolver produtos de primeira qualidade, colocando os consumidores no centro do nosso negócio, sempre. Continuaremos a expandir o nosso portfólio de produtos e a criar experiências de excelência que traremos ao público português.

Estamos muito otimistas e confiantes quanto ao futuro – é por isso que nos mantemos totalmente empenhados em desenvolver, todos os dias, algo totalmente novo, impactante e transformador. É isto que a tecnologia representa para a Huawei. Um Universo pronto a oferecer ao consumidor experiências tecnológicas nunca vividas.

Editores 4gnews recomendam:

Mónica Marques
Mónica Marques
Como jornalista de tecnologia assistiu à chegada do 3G e outros eventos igualmente inovadores no mundo hi-tech ao longo de mais de 20 anos de carreira.