Empresa despede funcionários que comprem o iPhone 7 ou iPhone 7 Plus

Filipe Alves

iphone-7-4gnews-9

Os novos smartphones da Apple, como sempre, estão a dar que falar! Todos os anos vemos burburinhos antes dos dispositivos serem lançados e escândalos depois desses mesmos saírem para o mercado.

Vê ainda: O Galaxy Note 7 aumentou as receitas da Samsung, quem diria?

Mas agora imagina lá que salvaste uns bons trocos durante o ano inteiro para despejares no mais recente equipamento da empresa da maçã trincada. Chegas ao trabalho todo feliz da vida a comunicar o quão feliz estás com a tua mulher via iMessage. Nisto o teu patrão entra na sala, olha para ti, olha para o smartphone e manda uma de "estás despedido".

WoooooW

Yap, isto não é treta. Embora pareça uma situação irreal, há pessoas que vivem este tipo de opressão neste momento na China.

91468044_967d83e0-9577-4ff7-895f-23fe8198a83f-1

De acordo com um memo que caiu na Weibo, um centro hospitalar na China (Nanyang Yongkang Medicine Company) está literalmente a despedir pessoal que decida comprar um iPhone 7 ou iPhone 7 Plus.

Podemos ler "Se quebrar esta regra, dirija-se ao escritório e entregue a sua carta de despedimento"

Mas se achas isto uma situação anormal, fica sabendo que não é apenas uma empresa a faze-lo, aliás, a CNET apurou que há casos piores do que este decorrerem enquanto estás a ler este artigo.

Estas empresas em nada estão relacionada com o mundo mobile, mas são extremamente patriotas e visto que a China é um mercado em evolução no território tecnológico, investir numa empresa estrangeira para alguns cérebros do tamanho de uma ervilha isto significa "uma traição ao País".

Queres comprar um novo iPhone? Vê se o patrão deixa!

Talvez queiras ver:

Kodak apresentará o seu novo smartphone no dia 20 de outubro

“Instagram Stories” já conta com 100 milhões utilizadores diários ativos

D€AL: Queres uma Action Cam? Aproveita esta Promoção na V3 4K WiFi Sport

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.