Apple recusa reembolso depois de criança gastar 16 mil dólares através do iPad

Abílio Rodrigues
Comentar

Por esta altura, todos devíamos estar já avisados para os perigos de deixar uma criança utilizar um dispositivo com um cartão de crédito associado sem supervisão.

Uma mãe americana relatou recentemente que o seu filho mais novo gastou a módica quantia de 16 mil dólares em bens virtuais no jogo Sonic Forces para iPad. Jessica Johnson descobriu que a criança gastou um total de $16.293.10 dólares desde julho deste ano, em packs de $1.99 e bundles de $99.99.

Apple recusa responsabilidades e diz que o iPad é seguro

iPad

No dia 9 de julho foram feitas 25 cobranças no seu cartão de crédito, com um prejuízo de $2.500 em apenas 24 horas. Numa fase inicial, a mãe achou tratar-se de algum género de fraude, tendo feito uma queixa à operadora Chase. A companhia respondeu-lhe, dizendo que se tratavam de cobranças legítimas, sugerindo que contactasse a Apple.

Só nessa altura, quando viu a lista de compras e reparou no símbolo do ouriço azul da SEGA é que Johnson se apercebeu que o culpado era o seu filho. Prontamente pediu um reembolso à Apple, explicando a situação, mas sem sucesso.

O serviço de apoio a clientes da marca destacou que a reclamação não foi feita num período de 60 dias após as cobranças, e que, por esse motivo, nada podia fazer.

A senhora ainda tentou argumentar que esta quantia avultada a impediria de conseguir pagar a hipoteca da sua casa no mês em questão, mas aparentemente quem a atendeu não se mostrou sensível à situação.

É essencial conhecer as opções de controlo parental

Controlos Parentais iOS

Mais ainda, foi-lhe explicado que existem várias opções de controlo parental nos equipamentos da marca, precisamente para impedir este e outro tipo de tipo de problemas.

Depois de chamada à atenção, a mãe admitiu não ter tido o cuidado necessário na proteção da sua conta, alegando que não estava ciente das opções de controlo parental disponíveis no iOS.

Não deixa, todavia, de ser estranho que os pais não tenham sido notificados via email aquando das compras da criança, procedimento padrão neste tipo de situação.

Jessica Johnson aponta bateria ao que considera serem práticas "predatórias" nos videojogos, pensadas especificamente para enganar os mais jovens. Segundo esta mãe, "nenhum adulto gastaria $100 em moedas de ouro virtuais."

Editores 4gnews recomendam:

Abílio Rodrigues
Abílio Rodrigues
Apaixonado por tecnologia desde que montou o seu primeiro computador, continua em fase lua-de-mel com tudo o que envolva um processador e permita umas sessões videolúdicas.