Aplicação da Xiaomi é banida no segundo maior mercado do mundo!

Filipe Alves
7 comentários

A Xiaomi não passou em branco nesta onda de exclusão de aplicações chinesas. O segundo maior mercado do mundo, Índia, acaba de banir uma aplicação que chega com todos os smartphones Xiaomi que tenham a MIUI como software.

A aplicação é o Mi Browser e acaba de ser uma das vítimas do governo indiano que anda atrás de todas as Apps chinesas que possam recolher algum tipo de informação dos utilizadores.

Xiaomi sofre consequências devido a problemas políticos

Xiaomi Mi Browser

Tal como aconteceu com a Huawei nos EUA, agora é a vez da Xiaomi passar pelo mesmo. A Índia e a China não estão nas melhores relações, politicamente falando.

Ou seja, a Índia, segundo maior mercado populacional do mundo, decidiu banir aplicações chinesas do seu país. Depois do TikTok e de avisos a empresas como a Tencent Games, que tem o PUBG Mobile, foi a vez da Xiaomi apanhar por tabela.

Sendo a Índia um mercado importantíssimo para o crescimento da Xiaomi mundialmente, é plausível imaginar que a fabricante tome medidas para que a popularidade dos seus produtos não caia.

Em certos aspetos, o mesmo pode acontecer no resto do mundo. Ou seja, com esta situação, a Xiaomi tem um curto espaço de tempo para convencer o governo indiano que a sua aplicação é segura e não dá dados dos seus utilizadores ao governo chinês.

Quais os próximos passos da Xiaomi

Esta "novela" ainda está em desenvolvimento e é difícil de prever qual será a resposta da Xiaomi ao problema. Sabemos apenas que existe aqui uma situação e um incómodo mundial devido às aplicações chinesas. Resta-nos saber se existe verdadeiramente motivos para estas exclusões ou se são puramente políticas.

Antes de ires, descobre os melhores telemóveis Xiaomi, todos disponíveis em Portugal. Além disso, vê os melhores smartphones para fotografia, dominando o ranking da DxOMark.

Editores 4gnews recomendam:

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.