Xiaomi prepara um novo smartphone Poco para combater o OnePlus Nord! Eis alguns detalhes

Filipe Alves
1 comentário

O OnePlus Nord teve impacto no mercado e a Xiaomi tem esse conhecimento. Certamente por isso é que a marca se prepara lançar um novo "Poco" para o mercado para combater o telemóvel da OnePlus.

Assim sendo, podemos presumir que este novo Poco é destinado a um segmento de gama média/alta. Um telemóvel com um preço convidativo, porém, que nos dá características desejadas.

O que esperar do novo smartphone da Xiaomi (POCO) que combaterá o OnePlus Nord

Xiaomi Poco smarpthone OnePlus Nord
Xiaomi Poco F2 Pro

Os rumores ainda são poucos, contudo, já existem informações que merecem ser postas em consideração. Aparentemente, o smartphone contará com conexão e o mesmo processador que o OnePlus Nord. Ou seja, o potente, mas acessível, Snapdragon 765G.

Os rumores afirmam ainda um telemóvel com um carregamento rápido de 33W e ainda uma câmara principal de 64MP. Como conhecemos a Xiaomi, é muito provável que este novo telemóvel venha munido com algumas câmaras traseiras.

Por fim, sabemos também que o terminal chegará com um ecrã OLED e com um refresh rate de 120Hz. Isto é, transições fluidas e um ecrã que vai dar gosto de olhar.

Quando será revelado o novo "Pocophone"

Não sabemos as possíveis datas de apresentação. Contudo, sabemos que a Xiaomi não gosta de deixar o mercado sem algumas das suas opções.

O OnePlus Nord chegou para conquistar um mercado que outrora era seu. Agora é preciso que a Xiaomi "corra atrás do prejuízo". Algo que gostava de ver era a qualidade do hardware da Xiaomi com a qualidade do software da OnePlus. Algo que não me parece que venha a ser possível para o próximo smartphone da Poco. A não ser que a Xiaomi utilize o Android One. Algo que não parece estar nos planos da marca.

Editores 4gnews recomendam:

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.