Xiaomi prepara nova sub-marca de smartphones após sucesso da Redmi e POCO

Rui Bacelar
Comentar

A Xiaomi é uma das maiores fabricantes mundiais de dispositivos móveis, porém, a sua área de atividade e influência abrange várias áreas do labor e diferentes marcas. As mais populares são, em Portugal, a Redmi e a POCO no segmento de gama média.

Há, contudo, uma nova sub-marca a ser preparada pela empresa de Lei Jun, de acordo com as novas informações recentemente divulgadas online. O objetivo passará por cobrir e reforçar um nicho de mercado mobile e reavivar boas memórias junto dos Xiaomi Fans.

Xiaomi pode lançar nova marca focada em smartphones com Android "puro"

Xiaomi Mi A3 Android One
O Xiaomi Mi A3 foi o último da sua estirpe com Android One, foi lançado em 2019.

As informações foram avançadas primeiramente pela publicação Mobile Indian e, em seguida, pelos nossos colegas da Notícias e Tecnologia. Ao que tudo indica, esta será uma nova marca focada em smartphones custo / benefício, com algumas surpresas.

Nomeadamente, a utilização do sistema operativo Android despido da MIUI. Ou seja, sem a interface de utilizador própria da Xiaomi, optando aqui por uma skin minimalista, ou pelo Android "puro", tal como este é fornecido pela própria Google.

Assim sendo, perspetiva-se de imediato uma janela de oportunidade em Portugal e em todos os outros mercados em que a Google não esteja presente de forma oficial com os seus Google Pixel. Todavia, tudo dependerá posteriormente do preço de venda ao público.

Marca focada em smartphones qualidade / preço com Android "puro"

Xiaomi

É, não obstante, uma hipótese plausível face aos esforços de expansão e investimento da Xiaomi em novas áreas - tome-se, por exemplo, o compromisso com a área dos carros elétricos autónomos.

Posto isto, encaramos como perfeitamente possível o lançamento de uma nova sub-marca a par da POCO, Redmi e até da Black Shark. Já a aposta no Android "stock" evocará os tempos áureos dos Xiaomi Mi A1, A2 e A3, este último lançado em 2019.

Foi, aliás, pelo punho desta gama Xiaomi Mi A que a fabricante chinesa se deu a conhecer em Portugal e vários pontos similares da Europa. Fê-lo com uma interface universalmente aceite, o Android "stock" e destacou-se pela relação qualidade / preço.

Smartphones poderão custar de 180 € até aos 310 €, mas também na Europa?

Poderá a Xiaomi, após um hiato de 3 anos, voltar aos smartphones com Android puro? É, de momento, uma mera suposição, mas apontam-se preços incríveis para esta possível futura sub-marca, com valores a começar nos 180 euros até aos 310 euros.

Note-se, porém, que a fonte desta informação é sediada na Índia. Como tal, os valores estão ajustados à realidade de mercado local, francamente mais competitivo.

Atentando nos valores supracitados, estamos no campo dos telemóveis Redmi e da POCO. Por outro lado, a Black Shark foca-se mais em smartphones gaming cujos preços, dadas as caraterísticas empregues, são inevitavelmente mais caros.

Processadores Qualcomm Snapdragon são a escolha de SoC

There’s nothing quite like experiencing the premium power of #Snadpragon for the very first time. Who’s with us?

— Snapdragon (@Snapdragon) 11 de outubro de 2022

A fonte da informação avança que a nova marca de smartphones económicos da Xiaomi utilizará processadores Snapdragon. Mais concretamente, com o modelo Snapdragon 765 a ser a escolha mais acessível. Por outro lado, o modelo de topo deverá usar o processador Snapdragon 778G, o mesmo usado, por exemplo, no Nothing Phone (1).

A propósito, podem ver este guia 4gnews com as várias empresas do ecossistema da Xiaomi.

Por fim, de momento a fabricante chinesa não comentou o assunto. Desse modo, resta-nos aguardar por novas informações que permitam atestar, ou refutar, tudo quanto foi aqui divulgado.

Editores 4gnews recomendam:

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. Ocupa-se com a atualidade tecnológica na 4gnews. Email: ruibacelar@4gnews.pt