Ao efetuar uma compra através dos links deste artigo, o 4gnews pode ganhar uma comissão. Conheça o nosso processo de seleção de produtos.

Xiaomi Pad 5 Review: o melhor tablet preço-qualidade de 2021

Bruno Coelho

Tivemos de esperar três anos pelo regresso da Xiaomi ao segmento de tablets, mas valeu a pena. A fabricante chinesa apresentou o Xiaomi Pad 5, o primeiro tablet da marca a ter finalmente honras de lançamento global.

Trata-se de um tablet bastante equilibrado, pelo preço de 399,90 € que custa em Portugal. Não é perfeito, mas é com segurança que afirmo de antemão que é o melhor tablet qualidade-preço de 2021. Se quiseres saber porquê, acompanha-me neste artigo.

xiaomi pad 5

Unboxing e primeiras impressões do Xiaomi Pad 5

Desde o primeiro momento em que encaramos o Xiaomi Pad 5, parece que estamos a olhar para um produto bem mais caro. Com uma construção em vidro (no ecrã), alumínio (na lateral), sente-se que é um produto robusto quanto pode ser um tablet.

Além dos manuais, na caixa encontramos um cabo USB-A para USB-C e um carregador capaz de o alimentar a 22,5W. Ao contrário do que acontece nos smartphones, a Xiaomi optou por não colocar aqui um adaptador USB-C para jack 3,5 mm (porta que tablet não possui). O que fará com que quem quiser ouvir música com fios, tenha de fazer um investimento suplementar.

xiaomi pad 5

Conta com 512 gramas e 6,9 mm de espessura. Se a isto juntarmos as margens espessas o suficiente para não tocares no ecrã enquanto jogas ou consomes multimédia, tem uma pega que transmite segurança.

Pelo menos nesta cor escura, a traseira do tablet tem alguma tendência para gostar de dedadas. Mas se fores como eu, vais usar uma capa, e isso torna-se imediatamente num não-problema.

xiaomi pad 5

Um ecrã que brilha em tudo

A parte mais importante de um tablet é o ecrã. Afinal, é para este que vamos passar o tempo a olhar, e com qual vamos interagir. Pelo seu valor, o Pad 5 tem um painel sem concorrência nesta faixa de preço.

São 11” polegadas, com resolução de 2500 por 1600 (2K), sendo obviamente um painel IPS. Juntamos a isto 120Hz de taxa de atualização que tornam a experiência muito mais fluida. Tem 600 nits de brilho, que são suficientes para uma utilização regular, mesmo com luz a incidir de frente.

Os gestos funcionam bem, como em qualquer smartphone da Xiaomi. Se já estás habituado a essa mecânica, navegar dessa forma com este tablet vai ser um verdadeiro prazer. Para quem usa o tablet para consumo multimédia, é um verdadeiro prazer. Tem suporte para HDR10, Dolby Vision e Netflix em Full HD.

xiaomi pad 5

Desempenho de topo

Equipado com o Snapdragon 860 (o mesmo processador do POCO X3 Pro), 6 GB de RAM e 128 GB de armazenamento. Não há muito a dizer sobre o seu desempenho, que é de topo e praticamente imaculado.

Consegue realizar qualquer tarefa que lhe atires para cima, sejam jogos, navegação mais intensiva ou as videochamadas, que se tornaram um habitué no último ano e meio. Como seria de esperar, suporta ecrã dividido em aplicações compatíveis, mas notarás alguma diferença no desempenho de aplicações como o Chrome.

Se jogares títulos como PUBG Mobile ou Mario Kart, este é um tablet que te vai encantar. Também poder progredir no Genshin Impact, mas não esperes desempenho de topo nas definições máximas. Infelizmente para mim, como o tablet não tem GPS não pude instalar o Pokémon GO. Para as minhas sessões de FIFA 22 no Google Stadia, é ótimo.

xiaomi pad 5

Bateria que não te vai desiludir

Como já referi acima, este tablet dispõe de carregador de 22,5W na caixa. No entanto, carrega a 33W, que poderás tirar proveito se tiveres um carregador com essa potencialidade por casa.

Dessa forma consegues preencher os seus 8720mAh de bateria em menos de 80 minutos. Com o carregador que vem na caixa, demora cerca de duas horas a carregar. O que está em linha com os concorrentes.

xiaomi pad 5

Da sua autonomia só há coisas boas a dizer. Dependendo da tarefa que estejas a realizar, apresenta potencialidade para te durar facilmente um dia inteiro de uso intensivo. Que é o que se pede a um produto deste género.

Áudio de qualidade, mas…

O áudio deste Pad 5 é de grande qualidade. Conta com quatro altifalantes, com Dolby Atmos. Mas se quiseres ouvir música com auriculares com fio, terás de usar adaptador, pois este não tem entrada de jack 3,5 mm.

xiaomi pad 5

Câmaras competentes como se pede num tablet

A não ser que sejas daquelas que pessoas que tiram fotografias, este não é o pormenor mais importante. A câmara frontal de 8MP é a que realmente interessa, pois será usada para videochamadas.

É uma câmara frontal que se pode chamar de competente, e conta com estabilização ótica de imagem. Infelizmente não está colocada na margem lateral, o que faz com que fique estranho usá-la numa videochamada com o tablet em modo paisagem. Este não é um defeito exclusivo do Xiaomi Pad 5, e que também tenho no meu iPad Air. A câmara traseira de 13MP dará para algumas fotografias de emergência, mas não esperes milagres.

xiaomi pad 5

Pormenores em falta

Não é apenas a porta de jack 3,5 mm que falta a este tablet. Há um pormenor que pode bem mais importante, que é a ausência de GPS. O que faz com que fiques apeado para instalar apps como o Pokémon GO a partir da Play Store.

Outro pormenor a ter em conta é que o tablet não conta com sensor de impressões digitais para desbloqueio. Para compensar essa falha, dispõe de desbloqueio facial. É importante referir que não tem suporte para cartões microSD, mas que 128 GB são mais que suficientes para a maioria dos utilizadores.

xiaomi pad 5

Pontos fortes do Xiaomi Pad 5

  • Ecrã de grande qualidade para consumir multimédia
  • Taxa de atualização de 120Hz para maior fluidez
  • Construção e acabamento cuidados para o preço
  • Ótimo desempenho, sem quaisquer engasgos
  • Som de grande qualidade com Dolby Atmos

Pontos fracos do Xiaomi Pad 5

  • Ausência de entrada para jack 3,5 mm
  • Não tem GPS
  • Não tem sensor de impressões digitais

Considerações finais

Olhando para o mercado, não encontras um tablet com esta qualidade por este preço. O ecrã é excelente para veres as tuas séries preferidas na Netflix, e jogares os teus títulos ocasionais. Se como eu gostares de jogar no Google Stadia, também é ótimo para tal.

xiaomi pad 5

O desempenho é estupendo, se tivermos em conta que custa menos de 400 €. Juntar este processador com 120Hz, dá-nos uma grande sensação de fluidez e não senti nenhuns engasgos. Certamente que a caneta e o teclado vendidos em separado melhoram essas experiência, mas não tive oportunidade de os testar.

Como seria de esperar, para chegar a este preço foram feitos compromissos. Na minha opinião, o GPS é o maior deles. O sensor de impressões digitais é “substituído” pelo desbloqueio facial, e a falta de suporte para cartões microSD pelos 128 GB de armazenamento.

Por estes motivos, é sem reservas que o classifico como o melhor tablet qualidade-preço a comprar em 2021. Se não queres gastar mais de 400 € num tablet e pretendes ficar satisfeito, este é o produto a comprar.

Podes fazê-lo nas lojas físicas ou online da PCDiga pelos referidos 399,99 €. O produto encontra-se disponível nas cores Branco Pérola e Cinzento Cósmico.

Sabe mais sobre preços e envios do Xiaomi Pad 5 na PCDIGA

xiaomi pad 5

Especificações técnicas do Xiaomi Pad 5

  • Sistema Operativo: Android 11
  • Processador: Qualcomm Snapdragon 860 (7 nm)
  • GPU: Adreno 640
  • Armazenamento: 128 GB
  • Memória RAM: 6 GB
  • Ecrã: IPS LCD, 120Hz, HDR10, Dolby Vision
  • Tamanho: 11,0” polegadas
  • Resolução: 1600 x 2560 pixels
  • Câmara traseira: 13 MP, f/2.0
  • Câmara frontal: 8 MP, f/2.0
  • Wi-Fi 802.11 a/b/g/n/ac, dual-band, Wi-Fi Direct, hotspot
  • Bluetooth: 5.0, A2DP, LE
  • USB Type-C
  • Sensores: Acelerómetro, giroscópio, proximidade, bússola
  • Bateria de 8720 mAh
  • Dimensões: 254,69 mm x 166,25 mm x 6,85 mm
  • Peso: 511 gramas

Agradecemos à PCDiga pela cedência do Xiaomi Pad 5 para testes

Outras análises 4gnews a produtos:

Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.