Smartphones: preços podem baixar se a Apple e Samsung quiserem

Rui Bacelar
Comentar

São as fabricantes líder de mercado e as suas ações ditam as tendências do setor. Decisões estratégicas como a remoção do carregador / adaptador USB da caixa dos telemóveis foram imitadas por grande parte das rivais, mas poderão as gigantes ousar baixar o preço dos seus próximos produtos? Há margem para tal agora que uma das mais sérias crises parece ter fim à vista.

Em causa está a escassez global de semicondutores. Agora, com o reforço da capacidade de produção em várias frentes e países, surgem os primeiros indícios de alívio. Os últimos anos trouxeram aumentos cumulativos no preço dos gadgets e dispositivos móveis, contribuindo para tal a escassez global de componentes.

Note-se, aliás, que esta falta de processadores e chips afetou desde a indústria automóvel até às mais variadas fabricantes de telemóveis. Não havia, simplesmente, oferta suficiente para os volumes de procura registados nos últimos anos. Felizmente, temos notícias algo animadores que podem trazer alterações ao mercado.

Escassez global de semicondutores será aliviada já em 2023

Chipsets

As previsões (otimistas) foram partilhadas no mais recente relatório da ANZ Economic Research Team que aponta o aumento da produção global já este ano. Mais concretamente, até ao final de 2022 os volumes de wafers e chips produzidos aumentarão entre 9% até 16%. Será um dos maiores aumentos anuais com ótimos prognósticos para a indústria automóvel e eletrónica.

Note-se que atualmente a produção destes componentes está concentrada em poucas fabricantes, sendo a TSMC, sediada em Taiwan, responsável pelo maior volume de produção mundial. Ou seja, uma só entidade é responsável pela maior fatia de mercado neste setor vital para a indústria global.

"A single company in Taiwan, known as TSMC, makes about 90% of advanced semiconductors. U.S. factories make none."Imagine Communist China invades Taiwan.How could our government have put us in this position?https://t.co/f1SSB89AlA

— Steve Milloy (@JunkScience) 14 de julho de 2022

Entretanto, potências como os Estados Unidos da América têm dedicado, ainda que tardiamente, mais atenção e fundos para estimular a produção local destes componentes. Em simultâneo, vemos também algumas nações europeias como a França a tentar trazer para o coração da Europa alguma produção de semicondutores, ainda que tal esteja longe de surtir efeito.

Estados Unidos da América e Europa tentam estimular a produção local de chipsets

Alongside President @EmmanuelMacron for the launch of the future #semiconductor mega-factory in Crolles 🇫🇷The #EUChipsAct is in motion — bringing every day more industrial #sovereignty for our continent 🇪🇺 pic.twitter.com/FHqhh9r9o3

— Thierry Breton (@ThierryBreton) 12 de julho de 2022

Ainda assim, vemos agora os analistas de mercado a emitir pareceres mais otimistas. Mais concretamente, esperam que já em 2023 os preços dos nossos dispositivos móveis possam baixar entre 4% até 8% num reflexo direto da maior oferta de chipsets.

Note-se, porém, que será o retomar da normal produção da TSMC a maior responsável pela chegada ao mercado de mais chipsets já no próximo ano. Até então, a fabricante sediada em Taiwan tem sofrido vários entraves desde a seca local (esta é uma indústria altamente exigente em água para arrefecimento), bem como o derrapar da economia global e a inflação que o acompanha.

Xiaomi e Qualcomm são algumas das principais parceiras da TSMC

Bosch invests further billions in chip business: From consumer goods to #mobility – the demand for semiconductors is growing continuously. To gear up for it, we'll be investing another €3 billion by 2026 in our #semiconductor division: https://t.co/aqh4uUdue8 #BoschTechDay pic.twitter.com/gA5R5P4vAY

— BoschGlobal (@BoschGlobal) 13 de julho de 2022

Enquanto o resto do mundo tenta começar a produzir localmente novos semicondutores, a principal fabricante mostra sinais de recuperação e melhoria. Assim sendo, a TSMC poderá reduzir os custos de produção e aumentar os volumes entregues a parceiras como a Qualcomm e Xiaomi.

Por isso, é razoável esperar que também o preço do produto final possa baixar, ou pelo menos estabilizar em 2023. Agora, claro, só o passar do tempo dará razão, ou desmentirá, estas previsões animadoras.

Editores 4gnews recomendam:

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. Ocupa-se com as novidades de tecnologia na 4gnews. Email: ruifbacelar@gmail.com