Samsung, Apple e Xiaomi o que têm em comum estas marcas? São as que vendem mais smartphones

Mónica Marques
Comentar

A crise global de escassez de componentes teve impacto na venda de smartphones com menos 6% de equipamentos vendidos do que no ano passado em igual período.

Esta é uma das conclusões do relatório agora publicado pela empresa Canalys que analisou, ao pormenor, o terceiro trimestre de 2021.

Samsung em primeiro lugar com 21% de quota de mercado, logo seguida pela Apple e Xiaomi

canalys outubro 2021

A empresa Canalys acaba de revelar a sua análise de mercado do terceiro trimestre de 2021 e uma das principais conclusões é que a crise global de componentes afetou negativamente esta indústria, com as vendas a registarem uma redução de 6%, em relação ao mesmo período do ano passado.

Por outro lado, os três primeiros lugares das marcas que mais smartphones vendem, a nível global, são ocupados pelos "suspeitos do costume": Samsung, Apple e Xiaomi. A gigante sul-coreana ocupa a primeira posição, detendo 21% de quota de mercado com 69,4 milhões de unidades vendidas.

De seguida, estão a Apple e a Xiaomi com 15% e 14% de quota de mercado respetivamente, pelos 44 milhões de unidades vendidas em todo o mundo. Na lista destaque ainda para a OPPO e Vivo que ocupam os restantes lugares com 11% de quota de mercado, cada uma.

iPhone 13 impulsiona vendas da Apple enquanto terminais Android sofrem queda

O relatório de análise da Canalys revela também que o iPhone 13 impulsionou as vendas da Apple que teve sucesso entre os utilizadores. No primeiro trimestre do próximo ano, a Apple prevê colocar no mercado mais 170 milhões de dispositivos e registar um crescimento de 30%.

O maior sucesso de uns pode traduzir-se em menos sucesso para outros. Nesse sentido, as vendas globais de terminais Android estão a diminuir, tendo registado em média uma queda de 9%.

Resultados da Apple no próximo trimestre podem ser diferentes

Apple iPhone 13
Apple reduz número de unidades produzidas de iPhone 13
antes da época alta de vendas no natal

Mas, apesar de neste relatório, a Apple poder congratular-se com resultados bastante positivos, na análise do próximo trimestre a situação pode ser diferente. Tudo porque, a produção de smartphones da série iPhone 13 foi reduzida em cerca de 20% ao que estava anteriormente previsto.

Na origem da decisão está exatamente a crise global de escassez de chips que obrigou a Apple a reduzir a sua produção. De acordo com notícias anteriormente divulgadas, em outubro e pela primeira vez em mais de uma década, a empresa de Cupertino interrompeu a linha de montagem do iPhone e do iPad, por vários dias, devido a falhas no fornecimento de componentes e a restrições de eletricidade na China.

Editores 4gnews recomendam:

Mónica Marques
Mónica Marques
Como jornalista de tecnologia assistiu à chegada do 3G e outros eventos igualmente inovadores no mundo hi-tech ao longo de mais de 20 anos de carreira.