Passado e Futuro: o ano de 2017 para a Nokia

Pedro Henrique

Este quinto artigo será bem nostálgico, seja porque motivo for. No entanto, é necessário, por isso: Nokia. Tanta história que uma pequena palavra de apenas cinco letras pode carregar. História essa que pode ser representada por dados estatísticos que espelham grandes ganhos mas, por outro lado, perdas ainda maiores. E não, não se referem a ganhos ou perdas meramente monetários.

Vê também: Android da Google.

Uma coisa é certa. A chegada da Nokia em 2017 não é um mero acaso. Dez anos depois de ter desaparecido, a empresa estará de volta e com três grandes vantagens do seu lado. A primeira é que, por não ser ela a fabricar os smartphones, os custos dos mesmos serão bem menores e isso possibilita preços de mercado mais reduzidos. A segunda é que agora não haverá a desculpa de não se poder adquirir um Nokia porque ele tem Windows. A terceira, e talvez a mais importante, é que há muita gente que não esqueceu esta marca e que contava os dias para que a mesma integrasse o mundo Android e voltasse a ser o que foi, outrora.

Se isso acontecerá? Em princípio não. Não em 2017. Se a sua vinda abanará todo o mercado Android e, por ventura, até o iOS em si? Sem dúvida. A força desta empresa - e dos seus fãs - é enorme. Por isso, ainda bem que está de regresso pois tornará tudo bem mais competitivo.

Talvez queiras ver:

Preço de venda do futuro Nokia D1C poderá começar nos 150€

Suposto Nokia Pixel é na realidade uma versão alterada do Nokia X2

Nokia: rumores sugerem topo de gama com ecrãs 5.2” e 5.5” QHD

Pedro Henrique
Pedro Henrique
Fã incondicional de tecnologia e cultura quer partilhar o conhecimento adquirido com todos.