13282427_1147864018598421_1211256963_o

Ser fã de Lumia e de Windows Phone ou Windows 10 Mobile quase que dá direito a aparecer, às segundas à noite, num programa institucional – recente –  que decorre num canal privado português.

Porém, há duas grandes coisas que me privam de ter um smartphone desse género, sem que isso implique não gostar da plataforma porque, de facto, adoro. Uma delas é, obviamente, o facto de que não é preciso haver nenhuma aplicação não presente na loja para que isso se torne um impedimento ao uso do Windows 10 Mobile. Quanto a isso, há solução para tudo. Contudo, o mesmo não se pode dizer do software em si e, mesmo estando em contacto, diariamente, com um Lumia 950, percebo que o software não está bem. Alguns atrasos, faltas de resposta e incoesões são um reflexo daquilo que o 950 dá. Não, não é a falta de features. Somente a estabilidade que o Windows Phone 8 e 8.1 me habituaram.

   

Por outro lado, porque não há alguma espécie de hardware capaz de me cativar? Eu sei que é uma questão mais pessoal que a primeira mas apenas pergunto o porquê de não haver um Lumia 930 em 2016. Não é pelo facto de os botões de volume, bloqueio e câmara serem em metal, a par da câmara, que um smartphone passa a ter classe e pode custar tanto dinheiro. Também não é preciso metal em todo o corpo ou vidro fácil de riscar. Uma simples borda metálica em volta de um policarbonato de qualidade, e friso de qualidade, bastam e, se pudesse ser adicionada uma cor verde, azul ciano ou amarelo melhor seria. Todavia, a Microsoft não nos trouxe isso e nada há a fazer, se não esperar pelo(s) Surface Phone(s) que mudarão, espero, estes comprometimentos no que toca a uma mudança definitiva para essa equipa.

nokia-lumia-930(1) (1)

Esta é apenas uma opinião e, claro, não tem em vista denegrir o que quer que seja nem pouco mais ou menos. É apenas uma opinião de um indivíduo que teve vários Lumias mas que, entretanto, não os tem mais mas espera ansiosamente por poder fazê-lo de novo.

Talvez queiras ver:

Desde cedo comecei a interessar-me pelo que podia fazer no computador. Porém, a grande paixão surgiu com o primeiro telemóvel e complementou-se com os smartphones. Nada há a dizer, são simplesmente fantásticos e úteis em todo o tipo de situações.