facebook

É notável neste momento a maioria das aplicações que utilizamos no nosso dia a dia como o Facebook, Messenger, Twitter e Whats App estão presentes no Windows Mobile e pode parecer que isto significa que o sistema operativo está a chegar ao nível da concorrência mas longe disso, neste momento podemos dizer que o Windows Mobile voltou à estaca zero. A partir de agora a Microsoft tem de voltar a construir um mercado de aplicações, tal como tentou fazer após o lançamento do Windows Phone 8.1 e falhou miseravelmente, pelo que é preciso procurar novos caminhos, e um deles, com a ajuda do Facebook, pode ser o caminho ideal para o sucesso.

Vê ainda: Vernee Apollo Lite bate nos 95 mil no AnTuTu por pouco mais de 200 euros

   

O problema da falta de aplicações não é tanto nas aplicações que estão nas lojas da concorrência e não na loja do Windows, apesar de este ser de facto um problema, mas sim a falta de aposta de novas empresas na plataforma, e se no passado os elevados custos implicados no desenvolvimento para várias plataformas era algo real, neste momento, pelo menos para o Facebook não o é, tudo graças às ferramentas de “transformação” de aplicações de iOS para Windows.

Se és utilizador da plataforma Windows Mobile sabes muito bem que o Facebook tem feito um esforço tremendo nos últimos tempos para manter as suas aplicações no Windows o mais perto possível em termos de design e funcionalidades com as de outras plataformas conhecidas, e apesar de o fazer à custa do iOS, na minha opinião, acho que deve servir de exemplo a outras empresas de software.

Vê também: Apple faz “birra” e impede que espingarda seja adicionada aos emojis

Como é claro as ferramentas utilizadas pelo Facebook são privadas e muito melhores em termos de capacidades e funcionalidades quando comparadas com as da Microsoft, mais propriamente o projecto “iOS Bridge“, mas imaginemos que o Facebook decide partilha-las com o mundo, ainda que a um preço ou sob licença, seria espectacular e óptimo para o Windows Mobile!


Seria um gesto fantástico por parte do Facebook de facto, mas a conclusão é sempre a mesma: poderemos vir a ganhar aplicações mas perdemos a “nossa” identidade. Perdemos aquilo que a Microsoft tentou trazer com o Windows 10, Universalidade e Consistência, mas uma coisa é certa, se tivermos de abdicar destas características durante uns tempos e esperar que as ferramentas de conversão cheguem a um ponto em que as seja possível preservar, então meus amigos, este é o caminho a tomar.

Este artigo é a opinião de Francisco Rodrigues, utilizador da plataforma Windows Phone/Mobile desde 2013.

Talvez queiras ver: