Novas políticas da Lyft dificultam o banimento de motoristas com má conduta

António Guimarães
Comentar

A empresa de transporte privado Lyft vai implementar um novo sistema de avaliação interna de motoristas. Esse sistema, no entanto, irá facilitar o banimento de motoristas que tenham causado problemas, seja com passageiros ou com a empresa.

A Lyft possui uma equipa chamada Trust and Safety Team (Equipa de Confiança e Segurança) que são essencialmente responsáveis por analisar casos com motoristas e responsáveis por banir os mesmos caso seja justificado. Até agora essa decisão era tomada pelos membros da equipa.

lyft

De acordo com o Washington Post, essa responsabilidade foi retirada e a decisão de remover motoristas da plataforma já não depende do julgamento humano. Em vez disso, a Lyft tem um sistema com protocolos que devem ser seguidos no computador pelo membro da equipa. As respostas são automatizadas, tirando o controlo da decisão final ao funcionário.

Esta é, no mínimo, uma péssima ideia à primeira vista. Considerando que a Lyft presta um serviço a pessoas, é essencial que a equipa que revê casos de queixas ou incidentes com motoristas possa exercer julgament sobre a situação. Desta forma os funcionários passam a ser "robôs" que clicam no computador e imprimem relatórios.

Lyft afirma que esta não foi uma medida para cortar custos mas tudo indica sê-lo

Um porta-voz da Lyft afirmou ao Washington Post que esta não foi de todo uma medida para reduzir despesas. No entanto, a mudança não foi só a implementação do novo sistema. A Lyft também revogou certas condições dos funcionários da Trust and Safety Team.

Anteriormente, estes funcionários tinham um salário e horários fixos, presumidamente 8 horas diárias. Contudo, com o novo sistema, os funcionários passam a ser pagos à hora. Visto que já não analisam manualmente os casos, os membros da equipa irão provavelmente sentir uma descida no vencimento.

A Lyft já foi bastante criticada por não proteger os motoristas

A verdade é que apesar de ter revisão manual, o sistema antigo da Lyft estava longe de ser perfeito. A empresa já foi processada por situações onde não protegeu passageiras de motoristas com comportamentos de predador sexual. Esse processo inclui 100 casos isolados de abuso sexual decorridos entre 2014 e 2016.

Editores 4gnews recomendam:

Comentar
António Guimarães
António Guimarães
Juntamente com os seus atuais companheiros Mi A2 e Surface Go, batalha para elucidar as massas sobre todos os acontecimentos da esfera tecnológica. "Informação é poder" é a frase que o acompanha diariamente. Talvez um dia a coloque numa t-shirt.