Motorola Razr dobrável - Smartphone do futuro trará especificações do passado

Filipe Alves

O Motorola Razr dobrável é referido por muitos (por mim também) como o smartphone do futuro. Enquanto que muitos smartphones dobráveis procuram em trazer um smartphone e um tablet no mesmo equipamento, o Motorola Razr terá uma ideologia diferente.

O smartphone fechará em concha e quando aberto será só ecrã. Quão impressionante é isso? Por isso é que estou seriamente entusiasmado para este smartphone. Finalmente um topo de gama dobrável com dimensões mais ajustáveis e um formato que sempre gostei. Pensei eu.

Motorola Razr dobrável

De acordo com as mais recentes informações, tal não será o caso. O smartphone dobrável Motorola Razr deverá sim ter uma estética vanguardista, porém, falhará na parte de "topo de gama".

Os novos rumores referem que o smartphone chegará com um processador Qualcomm Snapdragon 710 e 4GB de memória RAM. Ou seja, especificações de smartphones intermediários. Aliás, este é o processador que podemos encontrar no Xiaomi Mi 8 Lite que custa pouco mais de 200€.

Especificações do Motorola Razr dobrável:

  • Processador: Qualcomm Snapdragon 710
  • RAM: 4/6GB
  • Memória interna: 64/128GB
  • Bateria: 2,730mAh
  • Ecrã principal: 6.20" polegadas 876×2142
  • Ecrã mais pequeno: Sem informações de tamanho com resolução 600×800
  • Cores: Branco, Preto e Dourado

Sinceramente se estas especificações chegaram para baixar o preço do smartphone não sou de ficar muito triste. Porém, não esperes que o smartphone venha a custar menos de 1000€. E dar 1000€ por um smartphone com estas especificações não será para mim.

Em suma, esperemos que a Motorola não caia no erro de nos dar apenas esta variante. Não me importava de subir mais uns 100€ a 200€ para ter um topo de gama com esta ideologia.

Mais sobre smartphones dobráveis:

Fonte | Via

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.