Meta, ex-Facebook, considerada uma das piores empresas do ano

Mónica Marques
Comentar

Habitualmente, no final do ano são feitos balanços e eleitos os melhores e piores desse ano, nas mais diversas áreas.

A empresa Yahoo Finance acaba de revelar que a liderar a lista das piores empresas do ano de 2021 está a Meta, anteriormente conhecida por Facebook. Explicamos-te todas as razões que levaram a empresa de Mark Zuckerberg para baixo da linha de água.

Microsoft é a melhor empresa de 2021

Facebook

A empresa Yahoo Finance acaba de revelar oficialmente a sua lista de melhores e piores empresas do ano e há uma surpresa no final da tabela. Mas comecemos pelas boas notícias. Segundo a Yahoo Finance, a Microsoft está em primeiro lugar no ranking das melhores empresas de 2021, graças a uma capitalização do mercado de cerca de 2 biliões de euros, sendo que o preço das suas ações em bolsa valorizou cerca de 53%, no acumulado do ano.

Já a liderar o top de piores empresas do ano que agora acaba está a Meta Platforms, anteriormente conhecida por Facebook. Apesar de ultimamente, a empresa de Mark Zuckerberg parecer estar a passar por um período mais tranquilo no que respeita a polémicas, é certo que este ano a empresa viu-se no centro das luzes dos holofotes em várias situações que lhe foram, notoriamente, desfavoráveis.

Por outras palavras, o lugar obtido pela Meta Platforms neste ranking apesar de surpreendente é facilmente explicado por um conjunto de situações.

Política de segurança do Facebook colocada em causa

Recorde-se que a empresa quando ainda era designada por Facebook foi alvo de várias investigações antitrust, por parte de autoridades de vários países. Algumas fugas de informação alegavam inclusive que a empresa de Zuckerberg dava prioridade ao crescimento em detrimento das questões de segurança.

Estas alegações levaram mesmo o Congresso dos Estados Unidos da América a abrir inquéritos à empresa e a interrogar Mark Zuckerberg sobre a política de segurança da empresa.

Conteúdo do Instagram tem um impacto negativo sobre os jovens e as crianças

Para fazer a sua análise de melhores e piores empresas do ano, a Yahoo Finance também recolheu a opinião dos utilizadores. E outras das razões para a empresa de Zuckerberg estar tão mal posicionada no ranking pode ficar a dever-se às opiniões negativas recolhidas.

Uma grande parte dos entrevistados considera que o conteúdo publicado no Instagram afeta a saúde mental de jovens e crianças, e que tal acontece, porque não existe qualquer tipo de controlo sobre esse mesmo conteúdo. Foi exatamente este o argumento utilizado pelo governo norte-americano para banir a rede social TikTok do país.

Apesar de as redes sociais de Zuckerberg não serem banidas de nenhuma país, são sobejamente questionadas e/criticadas pela forma como podem afetar as jovens mentes. Mas os utilizadores acreditam que a redenção para as plataformas.

Ou, pelo menos, 30% dos entrevistados acredita que o Facebook, ou Meta, poderia redimir-se reconhecendo a situação, e desculpando-se fazendo uma doação de uma quantia razoável a uma fundação que ajude a reverter os danos causados nas mentes dos jovens e crianças.

Não sabemos se Mark Zuckerberg vai seguir o conselho de utilizadores, mas sabemos que pretende reverter a opinião dos mesmos. O primeiro passo terá já sido a estratégica mudança de nome de Facebook para Meta Platforms, de forma a distanciar a "empresa mãe" de alvos mais facilmente criticáveis como são as redes sociais. Pode ser que 2022 corra melhor a Zuckerberg e às redes sociais da Meta...

Editores 4gnews recomendam:

Mónica Marques
Mónica Marques
Como jornalista de tecnologia assistiu à chegada do 3G e outros eventos igualmente inovadores no mundo hi-tech ao longo de mais de 20 anos de carreira.