IPTV Pirata: mais duas redes encerradas pelas autoridades

Bruno Coelho
Comentar

Há mais duas redes de IPTV pirata encerradas pelas autoridades. A iniciativa juntou os estúdios de Hollywood, às gigantes do streaming Netflix, Apple e Amazon a outros donos de conteúdos visados.

Estes venceram uma injunção premilinar para encerrar dois serviços de IPTV pirata, acusados de infringir direitos de autor de séries e filmes. O suposto operador pirata afirma que o caso é “deficiente” que se “baseia em evidências tendenciosas e imprecisas”.

Os acusados seriam os cérebros por trás dos serviços de IPTV Pirata ‘AllAccessTV (AATV)’ e ‘Quality Restreams’. Esta é apenas a mais recente acusação contra plataformas deste género a ser pública, como revela o site TorrentFreak.

IPTV Pirata

Serviços denunciados fornecem séries e filmes ilegalmente

Esta denúncia refere que os serviços fornecem séries e filmes ilegalmente, recorrendo a plataformas de IPTV e VOD. Pelos danos causados, existe um pedido de indemnização de 150 mil dólares por trabalho. Este foi acompanhado pela referida injunção para as plataformas serem encerradas.

A equipa jurídica dos acusados já havia referido no final de janeiro, que a ordem não seria necessária. Isto porque certos domínios visados já se encontravam inativos. Jan van Voorn, chefe antipirataria da MPA forneceu dados técnicos adicionais do serviço AATV.

“O Réu Dwayne Anthony Johnson (que faz negócio como) AllAccessTV e Quality Restreams ('Réu'), e todas as pessoas que supostamente agem em conjunto ou têm participação ativa com o Réu (coletivamente, as 'Partes Intimadas'), são por este meio preliminarmente restringidas e intimadas”, afirma o juiz André Birotte.

Estas partes íntimadas não podem assim “direta ou secundariamente, executar publicamente, copiar, reproduzir, distribuir, transmitir ou infringir de qualquer maneira um dos trabalhos protegidos por direitos autorais dos Autores, ou quaisquer outros trabalhos cujos direitos autorais sejam de propriedade ou exclusivamente controlada pelos Autores e/ou das suas afiliadas”.

Os intimados não podem ainda praticar qualquer ação cujo objetivo seja contornar as ordens da injunção.

Editores 4gnews recomendam:

Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.