Huawei continuará na lista negra dos EUA com a administração Biden

Rui Bacelar
Comentar

A Huawei não deverá receber qualquer clemência por parte da administração Biden, mantendo-se as sanções aplicadas pela anterior gestão Trump. A nova escolha para a pasta do Comércio aponta que "não há razões" para alterar o estatuto da Huawei.

Mais concretamente, a Secretária do Comércio, ao ser confrontada com a questão, afirmou não ver razões para a Huawei não permanecer na lista de entidades sujeitas a bloqueio. Na prática, a Huawei continuará na lista negra dos EUA.

Huawei continuará na lista negra dos Estados Unidos da América

Os infortúnios da Huawei começaram em maio de 2019 quando o então presidente Trump, aconselhado pelas agências de segurança nacional, colocou a Huawei na "lista negra" do país, banindo-a do país e de estabelecer relações comerciais com empresas norte-americanas.

As sanções foram, entretanto, agravadas com mais empresas a serem pressionadas para não negociar com a Huawei. Em pouco tempo, a Huawei viu-se sozinha na indústria, sem poder sequer produzir os seus processadores Kirin através da TSCM e outras fabricantes de chips, semicondutores e outros componentes essenciais.

A Huawei está numa situação desesperante e, se a troca de executivos norte-americanos trouxe alguma esperança à gigante chinesa, estas farripas dissipam-se agora perante o reafirmar de interesses americanos.

Biden manterá o status quo de Trump

A possibilidade de um levantamento das sanções é agora mínima. Segundo aponta a Bloomberg, Gina Raimondo, a escolhida de Biden para a pasta do Comércio já o dera a entender, voltando agora a reafirmar a manutenção do bloqueio e sanções.

"Entendo que as entidades colocadas na "Lista" estão lá porque, por norma, representam um risco para a segurança nacional dos EUA, ou para os seus interesses políticos externos. De momento não tenho razões para acreditar que essas entidades presentes nas listas não devam estar lá." respondem Raimondo às questões colocadas por diversos senadores do partido republicano.

As questões visavam especificamente a Huawei e a Hikvision, bem como o futuro das mesmas sob a nova administração.

Em resposta às declarações de Raimondo, um porta-voz do ministério dos negócios estrangeiros da China afirmou que a sua nação continua firmemente oposta a estas sanções aplicadas pelos Estados Unidos da América.

Entretanto, a Huawei Harmony OS é desmascarado, mostrando-se como cópia do Android.

O futuro da Huawei no mercado de smartphones não é de todo otimista.

Editores 4gnews recomendam:

  • Android vai receber notificações de privacidade semelhante às da Apple
  • Oppo tem a solução para esconder todas as câmaras nos seus smartphones
  • Xiaomi revela o seu novo smartphone futurista: sem portas nem botões
Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. Ocupa-se com as novidades de tecnologia na 4gnews. Email: ruifbacelar@gmail.com