Terá o mercado Android se desinteressado pelo leitor biométrico no ecrã?

Carlos Oliveira
Android leitor ecrã
Tecnologias semelhantes ao Face ID parecem ser a próxima preocupação do mercado Android

Um dos principais objetivos quer do mercado Android, quer por parte da Apple, para este ano era incluir um leitor biométrico debaixo do ecrã dos seus equipamentos. Dada a redução significativa das margens dos ecrãs dos smartphones observada este ano, marcas como a Samsung ou a Apple viram-se obrigadas a mudar a localização dos seus sensores de impressões digitais.

O objetivo inicial era, em ambos os casos, a incorporação de um leitor biométrico debaixo do ecrã dos seus produtos. Face aos não satisfatórios resultados obtidos por esta tecnologia, as mesmas tiveram de mudar a sua abordagem à tecnologia em causa.

Vê ainda: Google Play Store com 21 Apps temporariamente gratuitas para Android

No caso da gigante sul-coreana, a solução foi mover este sensor para a parte traseira dos seus Galaxy S8 e S8+ e Galaxy Note8, para uma localização criticada entre a comunidade. Já a solução da Apple foi remover por completo esta tecnologia do seu iPhone X e seguir em frente com a tecnologia Face ID para reconhecimento facial.

Pois bem, apesar de algum ceticismo relativamente a esta nova abordagem, o que é facto é que a mesma teve consequências no mercado. Logo após a introdução do Face ID por parte da Apple, surgiram rumores de que a Qualcomm estaria a desenvolver uma tecnologia semelhante.

Leitor de impressão digital VivoAgora, segundo o analista Ming-Chi Kuo, o mercado Android parece mais interessado numa alternativa ao Face ID do que propriamente em embutir um sensor biométrico debaixo do ecrã do smartphone.

As construtoras Android verão ganhar mais dinheiro do que com um leitor de impressões digitais

Esta crença agora avançada por este conceituado analista do mercado mobile não significa, de forma alguma, que o sensor de impressões digitais debaixo do ecrã não se venha a concretizar. Na realidade, Kuo acredita que o futuro Samsung Galaxy Note9 será o primeiro smartphone a chegar ao mercado com essa tecnologia.

No entanto, ele reporta que o mercado Android olha agora com outros olhos para a tecnologia introduzida pela Apple no mês passado. Este tipo de tecnologia de mapeamento 3D deverá gerar mais lucro para as companhias envolvidas do que propriamente o novo leitor biométrico que muitos anseiam.

Tudo isto deve-se, segundo Ming-Chi Kuo, às alargadas possibilidades que esta tecnologia pode oferecer. Não só pelo fator de segurança oferecido pela mesma, mas sobretudo nas implicações que a mesma terá no segmento da Realidade Virtual.

Olhando então para o futuro, Kuo acredita que nos próximos dois a três anos iremos assistir a um aumento de duas a três vezes na oferta de sensores de reconhecimento facial 3D do que sensores de impressões digitais embutidos nos seus ecrãs.

Acreditam que o reconhecimento facial possa, efetivamente, vir a substituir os sensores de impressões digitais no futuro? Se assim for, até quando é que os dois irão coexistir na oferta do mercado? Tudo questões que, por enquanto, apenas podemos equacionar a sua resposta.

Outros assuntos relevantes:

Apple iPhone X estará 2 anos à frente de qualquer Android neste ponto

Motorola Moto G6 Plus – Já se fala das suas especificações

Está quase a chegar a primeira aplicação do Snapchat para computador

Carlos Oliveira
Carlos Oliveira
Tendo já passado por várias casas, a 4gnews é aquela que me segura desde 2015. Com um desejo insaciável de me manter atualizado tecnologicamente, a partilha desse conhecimento é apenas o seguimento natural das coisas.