Já há muito que seguimos a ideia de que a Apple fará algo especial para a comemoração do décimo ano do iPhone e todos estamos com grandes expectativas para o que a marca Norte Americana poderá fazer.

   

Muitos têm sido os rumores, renders e opiniões sobre este assunto e o mais recente artigo de opinião do Thomas Ricker do site the Verge é muito curioso e de certa maneira até caricato. Parte do princípio que os mais recentes rumores do iPhone 8/Edition/X, combinados com o passado mais recente da Apple podem ser uma receita para o desastre.

Contudo, para o entendermos por completo, temos de pôr em contexto alguns dos últimos produtos da Apple, como o MacBook, o MacBook Pro, o Apple Pencil e o iPhone 7.

Em todos estes produtos e ainda outros, Ricker refere falhas de design às quais a Apple não nos habituou com os seus equipamentos anteriores. Nas suas palavras diz nos que a Apple apesar de não ser uma marca que inventa produtos, é a melhor no que toca a limpar os excessos e tornar uma ideia num produto por norma brilhante.

Vê também: Os 5 Melhores Smartphones deste ano – Abril de 2017

Apesar de se assumir claramente como um fã da marca americana desde o primeiro produto que comprou, o Mac G4 em 1999 e ter produtos de praticamente todas as gamas da Apple, refere que já não sente a mesma chama, o mesmo apelo pelos produtos novos, mesmo dada a sua profissão, ao ponto de não trocar o seu iPhone à três anos. De igual forma não comprou o novo MacBook Pro, iPad Pro nem o Apple Watch.

Apple iPhone 8
crédito: REUTERS/Regis Duvignau

Ricker já não vê os mais recentes produtos como os melhores, dando até o melhor design à Samsung, o assistente de voz à Google e à Amazon e considerando a remoção do Jack de 3,5mm um movimento hostil. Refere ainda a falta de utilidade do touch bar no MacBook Pro e o fim do Magsafe como dois pontos negativos na linha Mac.

Vê ainda: Será que o Samsung Galaxy S8 risca ou parte facilmente?

Até aqui, não vemos muitas surpresas, estas são de uma maneira geral as críticas que temos ouvido e também temos feito à Apple. Contudo, Ricker usa esta linha de pensamento para nos dar uma perspectiva (pessimista) do que ainda poderá vir este ano, mais especificamente na possível edição especial de comemoração do décimo o lançamento do iPhone.

À luz das extremas dificuldades que temos ouvido falar na produção dos novos Touch ID integrados no ecrã, tal como se suspeita que tenha tido a Samsung com o S8 e julgando a Apple pelo seu passado mais recente, Ricker sugere que poderemos assistir a mais um momento pouco característico da Apple que conheceu há dez anos, mais na base de compromissos do que inovações.

Exactamente neste sentido, já se ouvem falar de possíveis atrasos na produção e disponibilidade do equipamento e de certa maneira corroborando parte do que é dito neste artigo do The Verge, os mais recentes rumores falam-nos da crescente possibilidade da colocação do touch ID na parte traseira do equipamento: Sensor de impressões digitais do iPhone 8 volta a ser visto na sua traseira.

Descartando esta possibilidade por falta de flexibilidade do design da marca, Ricker considera a omissão do Touch ID em detrimento de outras tecnologias, como reconhecimento facial 3D ou análise de iris como a Samsung. Esta opção manteria a imagem característica da marca, mas falharia com algumas das novas funcionalidades possíveis com o Touch ID.

Partindo de seguida para o caricato e troça, indo buscar a nova cultura dongle da Apple, Ricker sugere que a Apple poderá sempre recorrer então a um Touch ID através de um dongle!

Contudo, tanto na sua perspectiva como na nossa esse será o ponto de “Basta”!

Outros assuntos relevantes:

Doogee Mix VS Xiaomi Mi Mix, quais as diferenças?

Honor 9: Novas imagens trazem-nos à memória o Xiaomi Mi 6

Microsoft vende Xiaomi Mi 5S na China de forma oficial

FonteThe Verge

Com extrema admiração por tecnologia móvel e pela evolução tecnológica da nossa geração em geral, juntei-me à 4gnews para te trazer todas as novidades sobre este nosso mundo da tecnologia falada em português.