7 smartphones dobráveis que estão (e vão) revolucionar o mercado

Mónica Marques
Comentar

Os smartphones dobráveis vieram para conquistar e são já muitos os utilizadores que optam por este tipo de terminal.

As marcas estão a responder a este chamamento e estão a lançar novos terminais de topo. Fica a conhecer os sete dobráveis que estão já e veem para revolucionar este segmento premium.

1. OPPO Find N

OPPO Find N
Crédito@OPPO/Weibo

Este é o primeiro smartphone dobrável da OPPO e veio colocar a fasquia a um nível já bastante elevado. Desde logo pelo sistema de dobradiça integrado que não só dissimula bastante bem o vinco no ecrã, como permite que o terminal se feche (quase) na perfeição.

Foi lançado em dezembro de 2021 e por isso integra um processador mais antigo, o Snapdragon 888 que está emparelhado com de até 12 GB de memória RAM e de até 512 GB de capacidade. É também alimentado por uma bateria de 4.500 mAh com carregamento rápido de 33 watts.

O ecrã interior conta com 7,1 polegadas, resolução 1920x1792 pixéis, uma taxa de atualização de 120 Hz e ainda suporte para HDR10+, enquanto que o exterior tem 5,49 polegadas e uma resolução de 1972x988 pixéis.

As boas notícias é que a marca está já a trabalhar no sucessor deste dobrável que poderá elevar ainda mais a fasquia da OPPO.

2. Huawei Mate XS

Huawei Mate XS
Crédito@Huawei

Não fosse a ausência dos serviço Google e o Huwei Mate XS arriscava-se a ser o melhor dobrável do mercado. Trouxe consigo um novo conceito de dobrável, o ecrã principal enorme de oito polegadas com 2480x2200 pixéis dobra-se para formar um ecrã secundário com 6,6 polegadas e 2480x1148 pixéis.

No interior aloja o processador Kirin 990, proprietário da marca, e 8 GB de memória RAM mais 512 GB de armazenamento interno. Na parte ótica, conta com um sensor primário de 40 megapixéis, um ultrawide de 16 megapixéis e ainda um sensor telefoto de oito megapixéis com zoom ótico de 3x.

É alimentado por uma bateria de 4.500 mAh com carregamento rápido de 55 watts, um dos mais céleres do seu segmento. Tendo em conta que foi lançado em fevereiro de 2020, mantém-se bastante atual. Não fosse a ausência de serviços Google...

3. Huawei P50 Pocket

Huawei P50 Pocket
Crédito@Huawei

Ao contrário do seu "primo" Mate, o P50 Pocket está equipado com um processador Qualcomm, o Snapdragon 888 com suporte apenas para comunicações 4G e emparelhado com de até 12 GB de memória RAM e de até 512 GB de capacidade no armazenamento interno.

Com um design bastante semelhante ao rival Flip da Samsung, quando aberto o P50 Pocket exibe um ecrã de 6,9 polegadas com 2790x1188 pixéis, sendo que dobrado dá acesso a um ecrã exterior com apenas 1,04 polegadas.

Aposta forte nos argumentos fotográficos, com um sensor primário de 40 megapixéis complementado por um ultra grande angular com 13 megapixéis e ainda um sensor Ultra com 32 megapixéis de resolução. Conta também com uma bateria de 4.000 mAh, capaz de fornecer carregamento rápido de 40 watts.

4. Google Pixel Fold ou Notepad

Pouco se sabe sobre o primeiro smartphone dobrável da Google, aliás mantém-se a dúvida se o modelo vai assumir a designação de Pixel Fold ou Pixel Notepad e quando este chegará ao mercado.

De qualquer forma, espera-se um dobrável bastante capaz. Poderá integrar um ecrã interior de 5,85 polegadas, sendo que a sua resolução e taxa de atualização continuam no segredo dos deuses.

De resto, apenas se sabe que estará equipado com uma configuração de câmara traseira dupla com um sensor pirmário de 12 megapixéis e outro sensor ultra grande angular de 16 megapixéis.

5. Razr 2022

A Motorola prepara-se para lançar mais uma iteração do seu dobrável Razr já no próximo dia 11 de agosto. O modelo vem para competir com o Samsung Galaxy Z Flip 4 no design dobrável em formato concha e com o Samsung Galaxy Z Fold 4 nas especificações.

Chega com o processador Snapdragon 8+ Gen 1, até 12 GB de memória RAM e até 512 GB de capacidade no armazenamento interno. Na parte ótica vai ostentar no painel traseiro um sensor de 50 megapixéis, complementado por um ultrawide de 13 megapixéis e ainda uma câmara frontal com 32 megapixéis de resolução.

Vai chegar também equipado com um ecrã principal P-OLED de 6,7 polegadas que vai fornecer uma resolução Full HD+ e uma taxa de atualização de 120 Hz e um ecrã secundário de três polegadas. Alguns rumores avançam que chegará à Europa com um custo de 1.149 euros.

6.Samsung Galaxy Z Flip 4

Na próxima quarta-feira, dia 10 de agosto, a Samsung vai revelar as suas duas novas gerações de smartphones dobráveis, nas quais se incluem o Galaxy Z Flip 4. Existem rumores de que a Samsung poderá retirar a letra "Z" da designação dos terminais, por esta estar associada ao exército russo, como já aconteceu em alguns países do norte da Europa.

Mas o Galaxy Z Flip 4 traz consigo duas novidades significativas. Em primeiro lugar, integra uma bateria maior que o seu antecessor,de 3.700 mAh, e que traz consigo também um carregamento mais rápido de 25 watts.

A outra atualização relevante é a integração do novo processador Snapdragon 8+ Gen 1 que estará emparelhado com 8 GB de memória RAM e 128 ou 256 GB de armazenamento interno.

Vai chegar à Europa com um preço de 1.109 euros na variante mais básico e com um custo de 1.169 euros para a versão com 256 GB de armazenamento interno.

7. Samsung Galaxy Z Fold 4

O Galaxy Z Fold 4 será um dos destaques do evento Unpacked de dia 10 de março, pelas suas especificações bastante avançadas e preços elevados a condizer que vão estar entre os 1.799 euros e 1.919 euros.

Comecemos pelos ecrãs com o principal a ostentar 7,6 polegadas e uma resolução QXGA e o secundário com 6,2 polegadas e uma resolução HD. Ambos são AMOLED e têm uma taxa de atualização de 120 Hz.

Vai chegar também equipado com uma bateria de 4.400 mAh com carregamento rápido de 25 watts e a executar Android 12. A cereja no topo do bolo é que integra o novo chip Snapdragon 8+ Gen 1 que, por sua vez, é complementado por de até 16 GB de memória RAM e de até 512 GB de capacidade no armazenamento interno.

Editores 4gnews recomendam:

Mónica Marques
Mónica Marques
Como jornalista de tecnologia assistiu à chegada do 3G e outros eventos igualmente inovadores no mundo hi-tech ao longo de mais de 20 anos de carreira.