4 qualidades Essenciais para trabalhar na Apple segundo Tim Cook

Rui Bacelar
Comentar

Tim Cook, atual CEO da gigante de Cupertino herdou uma empresa de sucesso aquando do falecimento do seu icónico fundador, Steve Jobs. Pelo seu punho, Cook tornou a Apple na empresa mais valiosa de sempre, com os respetivos produtos a influenciar todos os aspetos do mundo da tecnologia em 2022.

Sem surpresas, Tim Cook merece figurar entre os melhores gestores do mundo. O atual CEO da empresa é um mestre da gestão internacional, competências reconhecidas agora pela Università Degli Studi di Napoli Federico II que atribuiu uma das suas maiores honras e reconhecimentos académicos ao homem forte da Apple.

Tim Cook foi laureado como um dos melhores gestores do mundo pelo seu trabalho na Apple

“Insieme saremo in grado di creare un futuro migliore” Laurea honoris causa a Tim Cook in Innovation and International Management@tim_cook #timcookatunina #timcook #unina pic.twitter.com/Fate1hiLWV

— Unina Federico II (@UninaIT) 29 de setembro de 2022

"Temos um grupo de pessoas na empresa que realmente querem mudar o mundo. Querem, com efeito, enriquecer a vida das pessoas. Anseiam por deixar este mundo um pouco melhor do que o encontraram", apontou Tim Cook durante o seu discurso na academia.

O CEO da Apple teve oportunidade de se dirigir aos estudantes da academia em questão e de referir algumas das qualidades que mais valoriza em novos trabalhadores. A saber, estas caraterísticas incluem a colaboração, criatividade, curiosidade e competência numa determinada área do saber.

1. Cooperação como valor nuclear da Apple

Tim Cook afirma que a Cooperação é uma caraterística e competência essencial para pessoa que deseje trabalhar para a Apple. Esta qualidade é exatamente o que a empresa precisa para desenvolver novos produtos e criar soluções. Para a Apple é uma das pedras basilares da sua estratégia.

"Nós (Apple) acreditamos fortes contributos individuais são a chave, mas que dois fortes indivíduos trabalham melhor e conseguem alcançar feitos incríveis. Para além disso, pequenas equipas conseguem atingir e fazer coisas fantásticas quando trabalho de comum acordo e em prol de um mesmo objetivo", apontou Cook.

2. Criatividade no seio da tecnológica de Cupertino

Trabalhar para a Apple requer criatividade. Só assim se alcançam novas soluções para problemas e necessidades emergentes e futuras, um atributo extremamente valorizado pela empresa norte-americana.

"Procuramos pessoas que pensem de forma diferente. Que tragam algo de novo ao setor e à discussão. São estas pessoas que conseguem olhar para um problema de um ângulo diferente e resolver bloqueios, dogmas e obstáculos à inovação e desenvolvimento", apontou Cool.

"Para além disso, procuramos sempre por alguém que traga novas perspetivas para cima da mesa e para poder assim contribuir para o esforço de criação com a sua ótica", acrescentou o executivo.

3. Curiosidade, ou a ausência de preguiça mental

Sempre que não saibas a resposta a algo, pergunta. A ti, a alguém, procura saber. Não deixes que pensem por ti, nem te coloquem as respostas à frente. Não existem questões erradas ou perguntas inconvenientes. Não sejas conivente com o mainstream.

Portanto, se a Apple deteta a "sede" de conhecimento e curiosidade inata de um candidato, as chances de ser contratado crescem exponencialmente.

"A curiosidade tem que ver com o facto de alguém fazer muitas questões, sejam elas indagações sábias, ou perguntas incautas. É incrível quando alguém começa a fazer questões, logo em criança. É imensa a pressão que tal coloca sobre os adultos, obrigando-os, por sua vez, a responder, relembrar, investigar e aprofundar o seu próprio conhecimento. É por isso que procuramos por pessoas com uma mente inata e curiosa".

4. Conhecimento a fundo de uma determinada área

A chamada expertise, ou o domínio de uma competência, ou área específica. Não basta ser bom a fazer algo, é preciso ser o melhor, ou incrivelmente dedicado a um objetivo, a uma área do saber que queremos aprofundar, que estamos a trabalhar e melhorar.

É aqui que entra não só a educação, a que trazemos de casa e a formação académica, mas também a experiência prévia de trabalho, a exposição a realidades distintas, a superação de dificuldades. Em suma, toda a bagagem que define não só a nossa carreira como também o nosso caráter e a nossa pessoa.

"Se estamos a fazer algo relacionado com design industrial, precisamos de alguém que conheça a fundo o design industrial. Alguém com um leque de competências profundo e amplo nessa mesma área. Um conjunto de know-how e competências adquiridas em casa, na escola, na universidade, no mercado laboral", frisou Tim Cook.

O homem forte da Apple revelou que estes são os quatro parâmetros que regem o processo de seleção de novos candidatos e trabalhadores no seio da Apple.

"As pessoas trabalham para um propósito maior que elas mesmas", apontou Cook. "Por isso, é importante que a visão da empresa se foque nas necessidades do consumidor e, de uma ou outra forma, como é que podemos melhorar as suas vidas. É algo que queremos fazer diariamente, cumprindo os ditames da ética."

Editores 4gnews recomendam:

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. Ocupa-se com as novidades de tecnologia na 4gnews. Email: ruifbacelar@4gnews.pt