Xiaomi esbarra com este problema que não parece afetar a Apple

Rui Bacelar
Comentar

O mercado de smartphones enfrenta uma das maiores crises dos últimos anos com várias fabricantes a não conseguir cumprir as metas de produção previamente delineadas. A propósito, segundo avança agora a agência de análise de mercado Canalys, a Xiaomi atravessa um dos seus piores períodos ao passo que a Apple aparenta passar pelos pingos da chuva.

Em causa está a escassez global de componentes e semicondutores que resultou numa quebra de 6% no volume de smartphones vendidos no último trimestre. O pior de tudo? Esta queda é apenas o pronúncio do que está para vir uma vez que não se perspetivam soluções rápidas e eficazes para a problemática.

Escassez de componentes afeta particularmente a Xiaomi

Canalys Apple Xiaomi
Evolução percentual das vendas entre o 3.º trimestre de 2020 e 2021. Crédito: Canalys

De acordo com a agência Canalys, no terceiro trimestre de 2021 as vendas de smartphones caíram 6% face ao período homólogo de 2020. Segundo esta entidade, os resultados atestam a crise que se vive no setor e indiciam novas contrações futuras.

Entre o caos que se faz sentir junto das linhas de produção, a Apple escapa quase incólume a estas restrições com os iPhone 13 a vender bem.

As conclusões foram agora divulgadas pela agência em questão, dando conta de uma considerável queda entre os terceiros trimestres de 2020 e 2021.

Note-se que esta queda surge no seguimento de um aumento de 27% anual durante o primeiro trimestre de 2021, bem como um aumento de 11% ao longo do segundo trimestre do ano.

Agora, contudo, surgem os primeiros sinais de problemas junto das grandes fabricantes com o stock de componentes a esgotar-se rapidamente. Em particular, a Xiaomi é tida como marca mais afetada pelo problema que afeta todo o segmento. Algo que podemos ver acima plasmado na estagnação anual, ao passo que as demais fabricantes (com a exceção da Samsung) cresceriam.

Apple escapa à escassez de componentes ao invés da Xiaomi

Apple iPhone 13
As vendas dos iPhone 13 catapultaram a Apple durante o terceiro trimestre de 2021.

A Apple aumentou a sua quota de mercado de 12% para 15% no último trimestre. Os motivos para tal, segundo a Canalys, prendem-se com a forte adesão aos novos modelos de iPhone 13. De igual modo, a fabricante não aparenta enfrentar dificuldades na produção das unidades exigidas, tendo precavido tal situação no decurso do último ano.

Não obstante, noticiamos recentemente a possibilidade de a produção dos iPhone 13 ser diminuída em 10 milhões de unidades. Algo que aparente não afetar o volume geral de unidades disponíveis no mercado, pelo menos durante o período em questão.

Paralelamente vemos a Samsung a manter o seu primeiro lugar. Com efeito, a tecnológica sul-coreana mostra-a com 23% de quota de mercado, posição inalterada de ano para ano.

Global 📱 shipments fell 6% as brands struggled to meet demand amid component shortages, says @Canalys --Samsung led in Q3 followed by Apple, Xiaomi, vivo and OPPO in that orderThe #chipset famine has truly arrived; shortages will not ease well into 2022: Canalys @BenjaStanton

— Sindhu Hariharan (@sindhuhTOI) 15 de outubro de 2021

Numa outra tónica vemos o grupo de marcas da BBK Eletronics, a VIVO e a OPPO a aumentar ligeiramente a sua expressão. Com efeito, ambas as fabricantes passaram de 9% para 10% de quota de mercado segundo a Canalys.

Crise de semicondutores só deverá melhorar no fim de 2022

Por fim, a par da agência Canalys, também a Counterpoint reviu em baixa as suas previsões para o segundo semestre do ano. Em ambos os casos o motivo apontado é a escassez de componentes e semicondutores a afetar todo o mercado mobile.

Para o consumidor comum isto pode traduzir-se na incapacidade de comprar um novo smartphone. Poderão, por exemplo, ser obrigados a esperar mais para ter o seu novo dispositivo móvel Android e / ou iOS.

Por fim, numa nota pouco positiva, a Canalys prevê que esta crise se atenue no final de 2022. Portanto, teremos que conviver com estes atrasos na produção de smartphones durante grande parte do próximo ano.

Editores 4gnews recomendam:

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. É na tecnologia que encontrou o seu expoente máximo e na 4gnews a plataforma ideal para a redação e produção de vídeo.