Sony pondera em vender a sua linha de Smartphones e TV

Filipe Alves

Isto é uma daquelas notícias que nem queremos acreditar que são realmente verdade, mas o mundo gira e "nenhum negócio dura para sempre".

Não é novidade que a Sony Mobile Communications ( departamento só para linha de smartphones e tablets) não anda bem faz algum tempo. (Certamente por lançar flagships de 6 em 6 meses).

O Z2 mínima.

Curiosidade: Será esta a interface da Sony com Android Lollipop?

De acordo com aSmartphones e TV's tem dado, nem que seja vender esses mesmos departamentos. Ainda não há investidores à vista, nem ninguém fala sobre possíveis compra de gigantes, mas caso aconteça, não fiques admirado.

As minhas palavras no início deste artigo foram que "nenhum negócio dura para sempre", são mesmo palavras de um dos oficiais da Sony quando questionado sobre a situação concluindo que " cada segmento tem de entender que a Sony pode sair do negócio", deixando uma dica ao pessoal encarregue pelos departamentos, para fazer com que eles rendam.

A Sony, outrora Sony Ericsson deixou em 2012 de fabricar smartphones com o nome Sony Ericsson, passando a ser Sony Mobile Communications. Ainda é cedo para avaliar a situação da marca mas que as coisas já andaram melhores, já!

Esperemos que o Xperia Z4 esperado para a MWC em Março seja uma alavanca para esta poderosa mas tímida Sony.

Fica ainda com o vídeo comparação entre o Sony Xperia Z2 e Z3 e apoia a tecnologia falada em Português subscrevendo o nosso Youtube.

Talvez queiras ver:

  • Sony Xperia Z4 pode ter duas versões com ecrã FHD ou 2K
  • Sony apresenta o Smart B-Trainer
  • Sony Xperia Z4 e Galaxy S6 secretamente mostrados a investidores na CES 2015

Queremos saber a tua opinião sobre este assunto por isso fica livre de comentar abaixo. Clica aqui para saberes como ajudar a 4GNews!

Nós e os nossos meios de comunicação!

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí que ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.