Motorola Razr 3: novo smartphone dobrável está confirmado

Bruno Coelho
Comentar

Corria o ano de 2019, e a Motorola anunciava o regresso triunfal do Razr. O emblemático telemóvel em formato concha era renovado para uma versão em smartphone com um preço que fazia 'suar' os interessados.

O smartphone dobrável nunca obteve o sucesso pretendido pela marca. Para isso terão contribuído o seu preço elevado, tendo em conta as especificações de gama-média, como é exemplo processador Snapdragon 765G. Mas a fraca bateria e a fragilidade do seu ecrã também terão ajudado.

Mais tarde a Motorola lançaria o Razr 5G, mas foi o Samsung Galaxy Z Flip a roubar-lhe o protagonismo entre os smartphones dobráveis em formato concha. Mas a Motorola ainda não desistiu.

Motorola Razr 3 confirmado por executivo da Lenovo

Chen Jin, executivo da Lenovo, revelou na rede social Weibo que está a ser preparada a terceira geração do Motorola Razr. Tendo em conta a plataforma escolhida para esta revelação, este deve ser lançado primeiro na China.

Segundo o executivo, o smartphone terá o processador mais avançado. Isto leva a crer que pode chegar com o Snapdragon 8 Gen 1. Podemos ainda esperar uma interface melhorada, e “aparência atmosférica”.

Recorde-se que o Samsung Galaxy Z Flip 3 se encontra atualmente abaixo dos 1000 € em muitas lojas. O que significa que a Motorola terá de fazer um grande trabalho para que o Motorola Razr 3 conquiste.

Os principais desejos é que o Motorola Razr 3 possa manter a identidade da sua linha, sem descurar um processador poderoso, uma bateria digna e um painel de qualidade. Veremos o que nos reserva a Motorola nos próximos meses.

Editores 4gnews recomendam:

  • Xiaomi apresenta nova Smart TV de 70” polegadas com preço de amigo
  • Xiaomi Buds 3: novos auriculares Bluetooth vão surpreender
  • 6G com velocidades de 1 terabit por segundo? Sim, já existe e até foi demonstrado por esta empresa
Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.