Este ano, embora a Samsung não vá apresentar os seus Galaxy S8 na Mobile World Congress (MWC), em Barcelona, os rumores têm surgido como se isso fosse verdade. Já se viram várias imagens relacionadas ao novo flagship da empresa coreana mas, há sempre espaço para mais.

Vê também: iPhone 7 Preto: Utilizadores reclamam que tinta está a descascar

   

De facto, seja parte frontal ou traseira, sejam capas e outros acessórios, pelo menos a nível externo, quase todo o design dos Galaxy S8 são já conhecidos. Porém, subsistia ainda a dúvida de quantos modelos teríamos. Seriam dois, claro. E deverão ser. No entanto, Evan Blass revelou no Twitter o logótipo relativo ao Galaxy S8+.

Deste modo, confirma-se que a Samsung terá um modelo Plus, como a Apple faz com os seus iPhones. Porém, a tal dúvida existente termina com esta imagem. Porquê? Se em 2015 tivemos um Galaxy S6 Edge+, desta vez ele será apenas o modelo “+”. A diferença aqui tem que ver com a falta da palavra Edge no nome do smartphone.


Essa ausência não quererá dizer que o maior dos modelos não terá o ecrã curvo mas sim que ambos terão o ecrã edge, pelo qual não é necessário referenciá-lo. Ou seja, este é o ponto de situação: a Samsung abandonará, de vez, em 2017, o ecrã flat dos seus terminais de topo.

Assim, não haverá referência a smartphones Edge este ano porque será esse o padrão. Veremos qual será a resposta por parte do mercado a essa mudança iniciada há três anos. Sem dúvida que o ecrã de laterais curvas é mais futurista que o convencional mas, por outro lado, há quem não tenha a necessidade de as ter.

A Samsung fará aqui o papel que outras a Apple fez, por exemplo, ao retirar a entrada de 3,5mm dos seus iPhones 7. Será que a empresa coreana conseguirá fazê-lo sem contestação? Deixa a tua opinião nos comentários.

Outros assuntos relevantes:

Prata da casa: o novo desafio da Xiaomi

Android Wear 2.0 usa uma IA própria para as respostas pré-definidas

Bixby poderá ser afinal baseada na S Voice da Samsung

ViaGSMArena
FonteTwitter (Evan Blass)
Desde cedo comecei a interessar-me pelo que podia fazer no computador. Porém, a grande paixão surgiu com o primeiro telemóvel e complementou-se com os smartphones. Nada há a dizer, são simplesmente fantásticos e úteis em todo o tipo de situações.